A+ / A-

António Costa: Antecipar pagamento ao FMI é uma forma de renegociação da dívida

10 fev, 2015 - 16:03

Portugal quer antecipar pagamento de 14 mil milhões e poupar 200 milhões em juros. Para o líder do PS, "isto é simplesmente renegociar dívida, não é reduzir o nosso endividamento".
A+ / A-
O líder do PS considera boa a estratégia de antecipação do pagamento de parte do empréstimo da “troika” para poupar cerca de 200 milhões em juros. Mas para António Costa isto é uma forma de renegociação da dívida.

"O que o Governo acaba de fazer é uma renegociação da dívida. É trocar uma dívida que tinha o juro mais elevado, por uma dívida nova com juro mais baixo. Isto é simplesmente renegociar dívida, não é reduzir o nosso endividamento", considera.

Para ilustrar a sua opinião, o secretário-geral socialista usa como exemplo um agregado: "Se uma família tiver um empréstimo à habitação muito elevado, se tem oportunidade de mudar para um empréstimo, num outro banco, com uma nova taxa de juro, naturalmente que renegoceia e muda de banco e mantém o seu empréstimo com uma taxa de juro menor. O essencial para a família, claro que poupou em juros, em encargos e ganhou em liquidez, mas o fundamental continua a ser o mesmo: tem ou não o rendimento para sustentar esse pagamento?"

O plano de reembolso antecipado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) apresentado por Portugal está já a ser avaliado pelas instituições europeias, merecendo à partida o aval da Comissão Europeia.

O plano do Ministério das Finanças propõe a devolução de "14 mil milhões de euros num prazo máximo de dois anos e meio”.

Caso este plano seja aprovado, isto significa que Portugal vai devolver mais de metade do crédito devido à instituição liderada por Christine Lagarde em dois anos e meio, uma vez que o Fundo emprestou 27,38 mil milhões de euros, de acordo com a versão mais recente do calendário de amortização da dívida directa do Estado da Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), de Janeiro.

A 21 de Janeiro, a ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, já tinha anunciado no Parlamento que Portugal vai proceder ao pagamento antecipado do empréstimo contraído ao FMI durante o resgate financeiro do país, uma vez que o Estado acumulou "um montante de reservas de liquidez muito significativo" que permite "enfrentar com muita tranquilidade" eventuais dificuldades futuras.
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.