A+ / A-

Caso Sócrates. Armando Vara já está em prisão domicilária

15 jul, 2015 - 17:03

O ex-administrador da Caixa e ministro socialista foi detido no âmbito da "Operação Marquês", por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva.
A+ / A-
O ex-ministro socialista Armando Vara, arguido na Operação Marquês, que envolve o ex-primeiro-ministro José Sócrates, já se encontra na sua residência, em Lisboa, em prisão domiciliária com pulseira electrónica.

O ex-administrador da Caixa Geral de Depósitos (CGD) foi detido na quinta-feira no âmbito da "Operação Marquês", por suspeitas de fraude fiscal, branqueamento de capitais e corrupção passiva.

Na sexta-feira, após interrogatório no Tribunal Central de Instrução Criminal, foi decretada pelo juiz Carlos Alexandre a medida de coacção de prisão domiciliária com pulseira electrónica.

O advogado de Armando Vara considerou na altura uma "medida brutal" a prisão domiciliária aplicada ao ex-ministro socialista e anunciou que vai recorrer da decisão para o Tribunal da Relação de Lisboa.

A defesa discordou dos fundamentos invocados para a aplicação da prisão domiciliária, alegando que Armando Vara tem, desde 2009, um contencioso com a justiça (numa alusão ao processo Face Oculta, onde foi condenado a cinco anos de prisão efectiva, decisão que está em recurso no Tribunal da Relação do Porto) e que nunca faltou a nenhum ato processual, "nem deixou de cumprir todas as suas obrigações".

A Operação Marquês já conta com nove arguidos, sendo que o ex-primeiro-ministro José Sócrates é o único que se encontra preso preventivamente, indiciado por fraude fiscal qualificada, corrupção e branqueamento de capitais.

O empresário Carlos Santos Silva (prisão domiciliária, com vigilância electrónica), o administrador do grupo Lena Joaquim Barroca, o ex-motorista de Sócrates João Perna, o administrador da farmacêutica Octapharma Paulo Lalanda de Castro, a mulher de Carlos Santos Silva, Inês do Rosário, o advogado Gonçalo Trindade Ferreira e o presidente da empresa que gere o empreendimento de Vale do Lobo, Diogo Gaspar Ferreira, são os outros arguidos no processo.

Casos, robalos e Sócrates. O percurso atribulado de Armando Vara
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.