|
A+ / A-

Grande percentagem de ciganos trabalha e não depende de prestações sociais

23 jun, 2015 - 12:09

Primeiro estudo nacional sobre as comunidades ciganas conclui que o casamento precoce ainda é prática habitual e a venda ambulante é a principal actividade económica.

A+ / A-
Em dois minutos. O retrato (possível) da comunidade cigana
Em dois minutos. O retrato (possível) da comunidade cigana

É falsa a ideia de que os ciganos sobrevivem à conta de prestações sociais, defende Manuela Mendes, coordenadora do primeiro estudo nacional sobre as comunidades ciganas.

O documento foi encomendado pelo Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e registou os dados de 1.599 pessoas ciganas, dispersas por todo o território nacional, durante o ano de 2014.

Manuela Mendes esclarece que "uma percentagem grande trabalha", só que muitas vezes não se trata de trabalho no mercado formal, com um contrato ou um salário. Ainda assim, muitos estão desempregados, bastantes recebem o Rendimento Social de Inserção e mais de metade admite que já passou fome.

O estudo concluiu também que os ciganos portugueses têm baixos níveis de escolaridade, casam cedo, fazem da venda ambulante a principal actividade económica.


Em declarações à Lusa, a coordenadora do estudo disse que uma das coisas que ressaltam são os padrões regionais, destacando haver "aspectos singulares" que variam consoante as regiões do país e que contribuem para a heterogeneidade entre os ciganos portugueses, tendo sido possível detectar três grandes grupos.

Um primeiro grupo é constituído por jovens até aos 34 anos de idade, com níveis de escolaridade muito heterogéneos entre si, com uma grande percentagem de pessoas que nunca trabalhou ou que não se consideram trabalhadores, havendo muitos que vivem na dependência de familiares.

"Estas pessoas predominam em zonas como Estarreja, Ovar, [Santa Maria da] Feira e Barreiro e este é um grupo que se distingue", apontou Manuela Mendes.

Um outro grupo concentra pessoas mais velhas, com 45 ou mais anos de idade, que vivem em "condições mais deficientes ou com maior índice de vulnerabilidade". Mais de metade não trabalha e "uma percentagem significativa" recebe o Rendimento Social de Inserção (RSI) ou outro tipo de prestações sociais.

"Encontramos aqui reformados, domésticas, viúvos, e há uma maior incidência deste perfil em zonas do país como Castelo Branco, Santarém, Campo Maior e também no Algarve, em Lagoa. São pessoas que vivem em maior precariedade, com piores condições em termos habitacionais e de acesso a serviços e equipamentos", disse a investigadora.

O terceiro grupo é constituído por pessoas em idade activa e com família constituída ou estabilizada, com idades entre os 25 e os 34 anos de idade, muitos com o primeiro ciclo. Tem um maior número de trabalhadores, sobretudo pessoas que andam em vendas ambulantes ou trabalhadores por conta de outrem.

"São pessoas mais abertas a amizades com pessoas não ciganas, têm redes de relações menos fechadas e são pessoas que, grosso modo, se concentram sobretudo em Almada, Guarda, mas também no concelho de Espinho e Vila do Conde", adiantou.

Metade já passou fome

A investigação mostra também que, no que diz respeito à alimentação, quase metade (48%) admitiu ter passado fome, dos quais 18,6% disseram que foi entre uma a duas vezes por ano e 13,7% entre uma a duas vezes por mês.

Muitos (58,6%) afirmaram ter-se sentido discriminados por serem ciganos, tanto em contexto de trabalho, serviços, quer públicos ou privados, ou na escola, mas também é apontado que quando as comunidades ciganas "coabitam com outros grupos étnico-culturais" tem havido "alguns problemas de relacionamento, sobretudo com pessoas de origem africana".

Por outro lado, os percursos escolares dos ciganos "são geralmente muito curtos, principalmente no caso das raparigas", os casamentos acontecem em idades muito precoces (entre os 13 e os 15 anos) e parece dominar o culto evangélico, ligado sobretudo à Igreja de Filadélfia.

Ao nível das recomendações, o estudo sugere, entre outros, o reforço de alguns projectos, como o Programa Escolhas ou os mediadores culturais, e a capacitação das mulheres ciganas, principalmente através da aquisição de competências profissionais.

A 24 de Junho assinala-se o Dia Nacional do Povo Cigano.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • mario
    11 ago, 2017 mario Estremoz 23:03
    os senhores da Renascença deviam vir às localidades onde há ciganos a viver,,e falarem com as pessoas que moram por perto,cá em Estremoz por exemplo ,venham ver para crerem,a a rialidade por vezes é. muito diferente,
  • Rui Plácido
    25 jul, 2017 Lisboa 13:06
    Acresce, no título escreve-se "grande percentagem". Na ciência há p values, percentagem de confiança, etc. Mas não há "grandes".. Mesmo no senso comum, o que para um pode ser "grande", para outro pode não o ser. Se foi a investigadora a proferir, muito mal deve ser o estudo.
  • Viriato de Viseu
    24 jul, 2017 Portimão 13:02
    Há dias fui a uma repartição de Finanças e tive que me vir embora. A quantidade de ciganos que lá estavam, uns a pagar impostos e outros a pedirem esclarecimentos, eram em tal demasia que cedo verifiquei que, o melhor era voltar para a semana...
  • Ana Ramalho
    24 jul, 2017 Lisboa 09:20
    Eu não faço discriminação pois, são pessoas como outras quaisquer e merecem o devido respeito.
  • João Távora
    22 jul, 2017 Lisboa 10:01
    "António" e demais incendiários. Para quem quiser consultar o estudo na sua totalidade, está neste artigo o link, mas eu simplifico http://www.poatfse.qren.pt/upload/docs/Documentos/estudo_ennic.pdf
  • António
    21 jul, 2017 Setúbal 22:07
    Este estudo esta muto mal tratado. Onde se pode consultar no total? Que critérios de proporcionalidade fo ram usados? Cheira a politiquice, e da aldrabona...
  • Ans
    21 jul, 2017 Lisboa 08:59
    "grande percentagem"????.... O que é grande percentagem neste caso??!??..... Que não queiram esconder o sol com a peneira!!!!! Todos sabemos o que a grande percentagem de ciganos fez, pelo menos neste país.....!
  • José
    20 jul, 2017 Marques 18:39
    Não percebi como é que no título diz "grande percentagem trabalha" mas depois o estudo revela que dois dos três grupos analisados (que aparentam ser a maioria) são compostos por elevada percentagem de membros que não trabalham ou nem se consideram trabalhadores. Mais seriedade neste tipo de notícias por favor.
  • José
    20 jul, 2017 Marques 18:14
    Não percebi como é que no título diz "grande percentagem trabalha" mas depois o estudo revela que dois dos três grupos analisados (que aparentam ser a maioria) são compostos por elevada percentagem de membros que não trabalham ou nem se consideram trabalhadores. Mais seriedade neste tipo de notícias por favor.
  • Tiago
    20 jul, 2017 Loures 09:24
    O documento foi encomendado pelo Alto Comissariado para as Migrações (ACM) e registou os dados de 1.599 pessoas ciganas, dispersas por todo o território nacional, durante o ano de 2014. Só existe este número de ciganos? Não.. escolhersm logo os mais ricos para o estudo