O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
|
A+ / A-

Isabel Jonet: Níveis de fome são “muito preocupantes no século XXI”

25 mai, 2015 - 10:56

A fundadora do Banco Alimentar Contra a Fome destaca que mais de metade dos agregados familiares que recorrem às instituições tem um rendimento mensal de 400 euros ou menos.
A+ / A-
Os dados revelados esta segunda-feira, que indicam que cerca de um em cada três utentes de instituições de solidariedade social sentiu fome pelo menos um dia por semana, são “muito preocupantes”, considera Isabel Jonet e representam uma realidade inadmissível.

“Apesar destes apoios, e de saberem que existem os apoios, um terço continua a declarar que sentiu fome pelo menos uma vez por semana. Isto é muito preocupante no século XXI, não podemos admitir este tipo de situações”, diz à Renascença a fundadora do Banco Alimentar Contra a Fome.

“Tão preocupante como isso, é que 52% destes agregados familiares têm um rendimento mensal igual ou inferior a 400 euros e destes 25% têm menos de 250 euros. Muitos são idosos e ainda por cima sentem fome, isto não é admissível.”

Nem tudo são más notícias, o estudo revelou ainda um decréscimo no número de pessoas que disse ter passado um dia inteiro sem comer, por falta de dinheiro. “De acordo com este estudo, podemos percepcionar uma ligeira melhoria das condições de vida, pelo menos, da percepção das condições de vida.”

Segundo Isabel Jonet, “verifica-se também que há menos famílias atormentadas, pois têm de destinar uma parte dos seus rendimentos a empréstimos que contraíram anteriormente. Embora a casa e a alimentação sejam as duas maiores despesas, vemos que houve uma diminuição da fatia que foi consagrada aos créditos e, em meu entender foi desviada para a alimentação, mas isto quer dizer que 70% do rendimento da família é gasto com comida”.

Estes dados foram revelados esta segunda-feira, a dias de mais uma campanha de recolha de alimentos para os bancos alimentares. A campanha decorre sábado e domingo nos principais supermercados.

Segundo a investigação, promovida pelo Banco Alimentar contra a Fome e pela Entreajuda, cerca de 20% dos 1.889 utentes de instituições sociais inquiridos afirmaram ter tido falta de alimentos ou sentido fome “alguns dias por semana” nos seis meses anteriores e 13% referiu que tal aconteceu “pelo menos um dia por semana”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.