A+ / A-

Presidente da Câmara de Londres pede novo referendo sobre Brexit

16 set, 2018 - 14:04

Sadiq Khan reconheceu nunca ter imaginado pedir a convocatória de um segundo referendo, mas indica estar “cada vez mais alarmado pela caótica” situação das negociações com Bruxelas.
A+ / A-

O presidente da câmara de Londres, o trabalhista Sadiq Khan, pediu este domingo a realização de um segundo referendo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia, criticando as negociações do Governo britânico sobre o ‘Brexit’.

Num artigo publicado no jornal The Observer, o ‘mayor’ de Londres considera que o Reino Unido enfrenta duas opções, a seis meses do ‘Brexit’: um “mau acordo” ou “nenhum acordo”.

Na opinião do político trabalhista, o atual debate sobre a saída do Reino Unido da União Europeia (UE) está centrado nas ambições políticas do ex-ministro dos Negócios Estrangeiros Boris Johnson quando devia estar focado na importância de se encontrar um pacto com a UE.

Sadiq Khan reconheceu nunca ter imaginado pedir a convocatória de um segundo referendo, mas indica estar “cada vez mais alarmado pela caótica” situação das negociações com Bruxelas, rodeadas de “confusão e em ponto morto”.

Por isso, o presidente da câmara de Londres considera que é necessário “um voto da população sobre qualquer acordo sobre o ‘Brexit’ alcançado pelo Governo, ou uma votação, no caso de não haver acordo, juntamente com a opção de permanecer na UE”.

Na sexta-feira, o ministro britânico para o ‘Brexit’, Dominic Raab, destacou os progressos feitos para encontrar "soluções viáveis" para um acordo de saída do Reino Unido, apesar da divergência em alguns pontos.

"Embora ainda persistam algumas diferenças substanciais que precisamos resolver, está claro que as nossas equipas estão a aproximar-se de soluções viáveis para as questões pendentes no Acordo de Retirada, e estão a ter discussões produtivas no espírito certo sobre o relacionamento futuro", adiantou Raab, num comunicado.

Uma nova avaliação sobre as negociações será feita após a reunião informal de chefes de Estado ou de Governo da União Europeia, em Salzburgo, na quinta-feira.

A saída oficial do Reino Unido da União Europeia está marcada para 29 de março de 2019, mas continua incerta a forma da relação entre ambos depois dessa data.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    16 set, 2018 16:47
    É o que democraticamente faz mais sentido. O povo britânico tem todo o direito a dizer o que pensa das negociações sobre o Brexit e de quão incompetente tem sido o governo de Theresa May. Em dois anos a opinião pública mudou e muito. E a escumalha tuga que defende o Brexit pode sempre emigrar para o Reino Unido.