A+ / A-

Portugal precisa de missionários a “tempo inteiro"

15 set, 2018 - 20:25 • Teresa Paula Costa

O alerta partiu do presidente da Comissão Episcopal das Missões e Nova Evangelização.
A+ / A-

Portugal precisa de missionários a “tempo inteiro”. O alerta partiu do presidente da Comissão Episcopal das Missões e Nova Evangelização na abertura das jornadas missionárias que decorrem neste fim de semana, com o tema “Eu Sou Missão.”

É um tema que se enquadra na caminhada que os jovens e a Igreja estão a realizar tendo em vista o Sínodo de outubro “Os Jovens, a fé e o discernimento vocacional”.

Segundo D. Manuel Linda, cresce o número de pessoas que deixam a família para fazerem missão durante algum tempo, mas há uma diminuição do número de pessoas que se consagra totalmente à missão, o que “é uma preocupação profunda da Igreja que está em Portugal.

Por isso, a Conferência Episcopal Portuguesa decidiu dedicar todo o ano, desde outubro de 2018 a outubro de 2019 à missão. Para o bispo, “não é no sentido de fazermos a descoberta de algo que nunca tenha sido descoberto, mas é no sentido de continuar a aquecer os corações com a chama missionária e de usarmos as nossas forças, a nossa capacidade de reflexão e dinamismo para dizer: “A missão precisa de ti em concreto.”

O bispo revelou ainda que a grande parte das atividades será concentrada mais perto do final do ano que vem. “Nesta primeira parte insistiríamos na formação e na programação e lá para 2019 então, sim, avançaremos, por exemplo, se a Conferência Episcopal aprovar, com uma grande peregrinação nacional no dia 29 de outubro,” adiantou D. Manuel Linda.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.