A+ / A-

Francisco. “Não se pode viver uma dupla moral"

15 set, 2018 - 17:50

Sumo Pontífice está este sábado na Sicília e já criticou a Máfia.
A+ / A-
Papa na Sicília com críticas à máfia e mensagens para o interior da Igreja
Papa na Sicília com críticas à máfia e mensagens para o interior da Igreja

O Papa na Sicília deixou uma mensagem muito profunda para o interior da Igreja e à luz dos recentes acontecimentos. Francisco sublinhou ao clero que não se pode viver uma dupla moral: uma para o povo de Deus e outra em casa.

“Dar testemunho quer dizer fugir de toda a vida dupla, fugir da hipocrisia de que o clericalismo não está isento, seja no seminário, na vida religiosa, no sacerdócio. Não se pode viver uma dupla moral: uma para o povo de Deus e outra em casa. Quem dá testemunho de Jesus pertence sempre a Jesus e por amor a Jesus empreende uma batalha diária contra os seus próprios vícios e todos os tipos de tentações mundanas”, disse.

Estas declarações do Papa foram feitas num encontro para membros do Clero e institutos religiosos, na Catedral de Palermo, onde repousam os restos mortais do Beato Puglisi, assassinado há um quarto de século pela Máfia.

Antes ainda o Papa tinha almoçado com 1300 pobres, imigrantes e ex-reclusos, no centro “Missão Esperança e Caridade”.

Sempre acompanhado pelo arcebispo de Palermo, D. Corrado Lorefice, neste sábado na Sicilia, o Papa criticou manifestações de religiosidade que incluam qualquer saudação de respeito em frente da casa de um qualquer chefe da Mafia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Walter Cross
    16 set, 2018 Almere 08:02
    Nunca fui, não sou e dificilmente serei religioso algum dia; mas sempre sigo a trajetória dos papas curiosamente seguindo suas lideranças e como conduzem esse ato espiritual, porque no fundo, alguma responsabilidade social procuram cumprir. Desde João XXIII, Paulo VI, Woityla e agora Papa Francisco; merecem meu respeito e admiração, tanta quanto se realmente existe Deus, pois que dê bastante saúde e proteção Divina pela coragem, inspiração e dedicação ao próximo e essa frase contra o crime organizado, é a máxima do topo dessa luta contra o irracional dos seres humanos em atentado contra a própria existência. Obrigado, Papa Francis!