A+ / A-

Egito. Detidos filhos de Moubarak

15 set, 2018 - 16:18

São acusados de concertar a aquisição da maioria das ações de vários bancos através de empresas-fachada.
A+ / A-

Os dois filhos do ex-Presidente egípcio Hosni Moubarak, afastado na revolução de 2011, foram detidos por suspeita de "manipulação do mercado bolsista", anunciou fonte judicial.

Gamal e Alaa Moubarak e outras três pessoas são acusadas de concertar a aquisição da maioria das ações de vários bancos através de empresas-fachada, sem o declarar na bolsa, como a lei obriga.

Os suspeitos foram detidos por ordem de um juiz durante uma audiência, num tribunal do Cairo, e serão transferidos ainda este sábado para uma prisão, segundo a fonte.

Gamal Moubarak, que presidiu ao poderoso comité político do partido no poder durante o regime do pai, foi muito anos apontado como seu sucessor.

O irmão Amaal, mais velho, mantinha-se afastado da política, mas é suspeito de ter feito fortuna graças à influência do pai.

Após a revolução de 2011 no Egito, Hosni Moubarak, que esteve no poder 30 anos, foi alvo de vários processos judiciais.

Condenado a prisão perpétua pela morte de centenas de manifestantes durante a revolução, acabou por ser absolvido num segundo julgamento e libertado em março de 2017.

Os dois filhos também foram detidos e acusados em vários processos, mas estavam ambos em liberdade desde há três anos.

Alaa e Gamal foram condenados em maio de 2015, juntamente com o pai, a três anos de prisão por terem desviado mais de 10 milhões de euros de fundos públicos, mas o tempo que tinham cumprido em prisão preventiva ultrapassava a pena de prisão, pelo que saíram em liberdade.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.