A+ / A-

Zero quer empresas e autarquias a assumirem metas de descarbonização

15 set, 2018 - 01:43

A Cimeira Global de Ação Climática, que terminou esta sexta-feira em São Francisco.
A+ / A-

A associação ambientalista Zero vai desafiar empresas, autarquias e outros setores da sociedade a fixarem metas de descarbonização, na sequência da Cimeira Global de Ação Climática, que terminou na sexta-feira em São Francisco.

Em comunicado, a Zero - Associação Sistema Terrestre Sustentável salientou que existe um conjunto limitado de autarquias e empresas em Portugal que assumiram compromissos de redução de emissão de gases com efeito de estufa para 2020 ou mais tarde.

Porém, reforçou, "são metas que não têm tido a devida visibilidade pública, não estão sistematizadas e, muitas vezes, também são pouco ambiciosas".

A Zero entende ser "crucial que empresas, autarquias e outros setores da sociedade estabeleçam metas ambiciosas de descarbonização de curto prazo e para as próximas décadas, efetuem planos de implementação e as anunciem publicamente".

Com a descarbonização pretende-se inverter a subida das emissões daqueles gases.

A cimeira agora realizada em São Francisco pretendeu reforçar a ação e os compromissos estabelecidos na Cimeira de Paris de combate às alterações climáticas, realizada no final de 2015, sob o patrocínio da Organização das Nações Unidas.

Na altura, os países participantes comprometeram-se em conter o aumento da temperatura média global, bem abaixo dos dois graus Celsius (2ºC), desenvolvendo esforços para o limitar em 1,5ºC, recordou a Zero no seu texto.

Os participantes nesta cimeira de São Francisco querem que os líderes dos vários países aumentem a ambição e acelerem a ação contra as alterações climáticas até 2020.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.