A+ / A-

Sindicato desmente presidente da TAP

14 set, 2018 - 22:20

Considera “erro crasso” a transportadora aérea dizer que proposta de acordo de empresa foi aceite.
A+ / A-

O Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil (SNPVAC) considera que o presidente executivo da TAP "incorre num erro crasso" ao afirmar que o sindicato aceitou a proposta para um novo Acordo de Empresa (AE).

“O CEO da TAP, quando afirma que o sindicato aceitou a proposta, incorre num erro crasso", afirma o SNPVAC num comunicado, salientando: "Nunca aceitámos o documento como final, nem o assinámos, como afirma o CEO".

O SNPVAC adianta que informou o responsável da TAP, desde o início do processo, de que qualquer documento resultante das negociações careceria da aprovação do sindicato em sede de assembleia-geral, onde os associados deliberariam, e que o curso da negociação não mudou.

A negociação foi dada por encerrada por ambas as partes, quando foi considerado que havia um documento que na globalidade poderia ser apresentado aos associados em assembleia-geral.

"Após o fecho das negociações e perante uma postura de intransigência da TAP e de um imposição temporal da mesma de aprovação do documento para que existisse retroatividade salarial a janeiro, condicionando o livre arbítrio dos associados, algo que não se verificou em nenhuma das restantes classes profissionais da TAP, na defesa dos interesses dos nossos associados somos obrigados a assumir esta posição como forma de garantir que os seus direitos estão acautelados", afirma a direção do sindicato.

Na quinta-feira, o presidente executivo da TAP, Antonoaldo Neves, afirmou existir um "impasse" no processo do novo acordo de empresa com os tripulantes de cabine, porque a direção do sindicato já aceitou o acordo, mas não o sujeitou a votação.

"Chegámos a um acordo. O que eu acho agora é que há um impasse, não no acordo, mas na decisão de o sindicato convocar a assembleia [geral de associados], que é estratégia do sindicato e não posso comentar", explicou, na altura, o CEO aos jornalistas, depois de uma audição parlamentar.

O dirigente garantiu que o AE "está celebrado, foi pactuado, foram feitas cedências", e lembrou que a TAP e a direção do Sindicato Nacional do Pessoal de Voo da Aviação Civil já tinham acordado numa outra versão do documento, que os associados chumbaram em assembleia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.