A+ / A-

Arquiteto do Instituto de Conservação da Natureza suspeito de corrupção

14 set, 2018 - 18:55

O Ministério Público está a investigar suspeitas de corrupção no Instituto de Conservação da Natureza.
A+ / A-

O arquiteto da Instituto de Conservação da Natureza Paulo Ventura terá dado centenas de pareceres favoráveis a troco de dinheiro, em projetos na área do turismo, agricultura e habitação no Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina.

O caso foi revelado por investigação do Sexta às 9 da RTP e já levou a Câmara de Barrancos, onde é também chefe da Unidade de Obras e Serviços Urbanos, a demiti-lo.

O Ministério Público está a investigar suspeitas de corrupção no Instituto de Conservação da Natureza.

Na reportagem é descrito que o arquiteto oferecia os seus serviços para tornar o processo de construção de casas mais célere. Para isso, induzia as pessoas a procurarem determinados escritórios de arquitetura de quem depois recebia 10% do valor do projeto.

Em declarações à RTP, Paulo Ventura admitiu a prática e afirmou que não tinha a certeza que o fato de trabalhar para o Estado o limitar por estar ao abrigo do regime de exclusividade da Função Pública.

Em Barrancos, o comunicado assinado pelo presidente da Câmara, João Serranito Nunes, afirma que "o Município de Barrancos, confrontado com informações de uma reportagem da RTP sobre um cidadão que desempenha funções atualmente no concelho, esclarece que desconhecia qualquer situação, suspeita ou investigação em relação ao referido cidadão no quadro do desempenho de anteriores funções públicas".

Ao tomar conhecimento dessa investigação, afirma mais adiante "a exigência ética que colocamos na gestão dos dinheiros públicos levam a exigir o afastamento imediato do técnico Paulo Ventura como chefe da Unidade de Obras e Serviços Urbanos desta Câmara".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.