A+ / A-

Autoridade da Concorrência acusa cinco empresas de cartel na manutenção da ferrovia

14 set, 2018 - 17:23

Mota-Engil, Comsa, Somague, Teixeira Duarte e Vossloh são as empresas acusadas de manipularam as propostas apresentadas nos concursos lançados pela Infraestruturas de Portugal.
A+ / A-

A Autoridade da Concorrência (AdC) acusa cinco empresas de manutenção ferroviária dos grupos Mota-Engil, Comsa, Somague, Teixeira Duarte e Vossloh por constituírem um cartel em concursos públicos lançados pela Infraestruturas de Portugal, em 2014 e 2015.

Além das cinco empresas são visadas na acusação da AdC, seis titulares de órgãos de administração e direção, por estarem envolvidos nas infrações.

A investigação da AdC, revelada em comunicado, revelou que estas empresas manipularam as propostas apresentadas nos concursos lançados pela Infraestruturas de Portugal.

Segundo a mesma entidade, as empresas celebraram dois acordos restritivos da concorrência visando a fixação dos preços da prestação dos serviços e a repartição dos lotes constantes de um dos concursos.

No comunicado lê-se ainda que os concursos em causa se destinavam à prestação de serviços de manutenção de equipamentos da rede ferroviária nacional, como cancelas, agulhas, semáforos, entre outros, em Portugal continental, durante o período 2015-17.

O processo foi aberto pela AdC em outubro de 2016, na sequência de uma denúncia apresentada no âmbito da campanha de Combate ao Conluio na Contratação Pública que a AdC tem levado a cabo, desde 2016, junto de entidades adjudicantes e das entidades com funções de fiscalização e monitorização dos procedimentos de contratação pública.

A AdC escreve que o combate aos cartéis continua a merecer a prioridade máxima, “atendendo aos prejuízos que invariavelmente causam aos cidadãos e às empresas, forçando-os a pagar preços mais elevados e reduzindo a qualidade e diversidade dos bens e serviços à sua disposição.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Cidadao
    15 set, 2018 Portugal 14:11
    A provar-se o facto, o castigo deve ser exemplar e célere, para desencorajar outros de tentarem ...