A+ / A-

Israel anuncia fim de ajuda humanitária para sírios

13 set, 2018 - 21:52

Nos últimos cinco anos, 4.900 civis sírios, entre os quais 1.300 crianças, foram tratados em hospitais israelitas.
A+ / A-

O exército israelita anunciou o fim oficial da operação "Bom Vizinho", que consistia em fornecer ajuda humanitária e médica a milhares de sírios na zona dos montes Golã ocupada por Israel.

“Esta ajuda humanitária terminou com o regresso do regime sírio [do Presidente Bashar al-Assad] à parte sul da Síria" em guerra, indica um comunicado do exército.

No total, durante os últimos cinco anos, 4.900 civis sírios, entre os quais 1.300 crianças, foram tratados em hospitais israelitas, enquanto 7.000 pacientes foram tratados num hospital de campanha perto da fronteira dos montes Golã.

Alimentos, equipamentos médicos, remédios, tendas, geradores, combustível e roupas foram também fornecidos, acrescenta o comunicado.

Desde a eclosão da guerra na Síria, em 2011, que Israel se recusa a acolher refugiados sírios.

Israel ocupou a maior parte das colinas sírias de Golã, em 1967, e anexou-as em 1981, anexação essa que nunca foi reconhecida pela comunidade internacional.

O Estado de Israel esforça-se para se manter à margem do conflito naquele país vizinho, com quem continua oficialmente em guerra, mas liderou vários ataques contra o regime de Bashar al-Assad ou seus aliados, o libanês Hezbollah e o Irão.

O conflito na Síria, desencadeado em 2011 com a repressão, pelo regime, de manifestações pró-democracia, transformou-se ao longo dos anos numa guerra que fez mais de 350 mil mortos e milhões de deslocados e refugiados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.