A+ / A-

“Aquarius” mudou de nome e de bandeira

13 set, 2018 - 20:27

O navio, operado pela SOS Mediterranée e Médicos Sem Fronteiras, está em escala técnica no porto de Marselha desde o dia 20 de agosto, depois de ser notificado pelas autoridades de Gibraltar de que iria deixar de constar do registo naval a partir dessa data.
A+ / A-

O navio de resgate humanitário francês “Aquarius” vai regressar ao Mediterrâneo central nos próximos dias, sob o nome de “Aquarius 2” e com bandeira do Panamá, depois das autoridades de Gibraltar lhe terem retirado o pavilhão.

“O ‘Aquarius’ vai navegar sob bandeira do Panamá e teve de ser oficialmente renomeado como ‘Aquarius 2’", adiantou à Lusa a responsável de imprensa, Mathilde Auvillain.

O navio, operado pelas organizações não-governamentais SOS Mediterranée e Médicos Sem Fronteiras (MSF), está em escala técnica no porto de Marselha desde o dia 20 de agosto, depois de ser notificado pelas autoridades de Gibraltar de que iria deixar de constar do registo naval a partir dessa data.

O Aquarius teve então de dar início a um novo processo de registo, durante o qual foi obrigado a ficar em Marselha, explicou Mathilde Auvillain.

"Esperamos deixar o porto de Marselha após esta escala técnica o mais rapidamente possível, no final desta semana ou no início da próxima", acrescentou.

Segundo a mesma responsável, o Aquarius vai regressar à chamada zona SAR (salvamento e busca), ao largo da costa líbia, no Mediterrâneo central, considerada "a rota marítima mais mortífera do mundo" e onde mais de 100 pessoas morreram, a 01 de setembro, num naufrágio, segundo testemunhos recolhidos pela MSF.

O Aquarius tem operado nesta área desde fevereiro de 2016, mas encontra entraves crescentes à sua missão.

Em agosto, após o resgate de 141 migrantes viu o desembarque recusado durante vários dias por Itália e Malta.

O impasse foi resolvido quando vários países europeus, incluindo Portugal, aceitaram acolher os migrantes.

Portugal já tinha acolhido, a 29 de julho, 30 pessoas do navio 'Lifeline', provenientes de Malta.

Em junho, o Aquarius tinha recuperado 630 migrantes da Líbia, mas Itália e Malta recusaram também o desembarque desses migrantes.

Nessa altura, a odisseia do navio terminou no porto espanhol de Valência e o Aquarius ficou então um mês em escala técnica em Marselha.

Há quase um mês que as missões de resgate civil no Mediterrâneo Central estão suspensas, deixando os migrantes que tentam a travessia abandonados à sua sorte.

Os navios alemães Sea-Watch 3, Lifeline e Seefuchs estão bloqueados em Malta, o Iuventa, da também alemã Jugend Rettet, em Itália (enquanto os seus tripulantes enfrentam uma investigação das autoridades por alegado auxílio à imigração ilegal),o espanhol Open Arms opera atualmente na fronteira sul espanhola, nas águas do Estreito de Gibraltar e do Mar de Alboran e o francês Aquarius está em Marselha.

No final do mês, um novo navio, o espanhol Aita Mari do projeto Maydayterraneo, deve partir em direção ao Mediterrâneo Central para socorrer migrantes ao largo da Líbia.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.