A+ / A-

Gudelj. "Encaixo muito bem na ambição do Sporting"

13 set, 2018 - 18:01

Médio está muito contente com as primeiras semanas nos leões e espera que a estadia no Sporting lhe permita regressar à seleção da Sérvia.
A+ / A-

Nemanja Gudelj, médio do Sporting, admitiu que prefere jogar na posição oito, contou a história da sua carreira e destaca as boas primeiras impressões nos leões.

Em entrevista alargada à SportingTV, o médio dos leões definiu-se como jogador. "Gosto de trabalhar duro e ajudar os meus colegas. Sou um jogador forte e gosto muito de rematar longe. 80% dos meus golos são de fora da área".

"Prefiro jogar a 8 do que a 6 porque assim posso correr para a frente. Na posição 6 tenho de ficar atrás e complementar a defesa. Quando jogo a 8 posso fazer os dois, e gosto muito disso", adicionou.

Gudelj admite que ficou "muito contente" quando soube do interesse leonino, e pediu ao agente para "finalizar o acordo". O sérvio destacou ainda a boa receção pelo resto do plantel.

"O ambiente é muito bom, quando cheguei senti um ambiente acolhedor vindo de todas as pessoas. Mal posso esperar por retribuir. Todos me ajudaram.

A ambição do Sporting foi fator que agradou e atraiu Gudelj para os leões. "Fico muito chateado quando perco jogos e por isso gosto de jogar em clubes que ganhem muito, se possível, claro. Encaixo muito bem na ambição do clube. Querem ganhar tudo e estou feliz por isso".

Gudelj deixou ainda grandes elogios a José Peseiro. "Falei com o treinador quando ainda estava na China. Gostei muito dele, sabe o que está a fazer. Gosto muito dos treinos: não são muito longos mas muito intensos".

O regresso à Europa como regresso à seleção e o início de carreira

"Fiquei afastado quando fui para a China e não fui ao Mundial. Foi estranho, mas agora que estou na Europa espero voltar às opções do treinador".

Gudelj arrancou carreira no NAC Breda, emblema holandês onde completou a formação. Clube que Gudelj "vai sempre ter um grande amor". O internacional sérvio destacou ainda a passagem pelo Ajax, "o melhor clube na Holanda, o que ganha mais troféus".

O novo reforço dos leões admite que o fator financeiro foi importante na transferência para a China, mas não o principal. "Gosto de aventuras e quando cheguei lá fiquei feliz. O futebol era bom e não esperava isso. Os sete primeiros clubes são muito bons e os outros tentam dar luta".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.