A+ / A-

Salário mínimo. “Um aumento de 20 euros não dá”, diz CGTP

13 set, 2018 - 11:00

Arménio Carlos esteve na Manhã da Renascença, onde falou dos objetivos para 2019 e comentou o relatório do FMI e as propostas contra a especulação imobiliária.
A+ / A-

Aumento do salário mínimo para 650 euros e descida do IVA nos bens essenciais e serviços básicos são duas das reivindicações que a CGTP vai apresentar ao Governo e defender nas mesas negociais.

A informação é avançada pelo próprio líder da intersindical, a poucas horas do conselho nacional da estrutura, que vai aprovar esta quinta-feira o caderno reivindicativo para o próximo ano.

Convidado da Manhã da Renascença, Arménio Carlos acredita haver margem para negociar o aumento do salário mínimo, apesar de o Governo reiterar que fica nos 600 euros.

“O Governo admite é um aumento do salário mínimo nacional de 580 para 600 euros. Um aumento de 20 euros não dá, sequer, um euro por dia. Ora, todos nós sabemos sabe que as empresas estão em condições de ir muito mais longe”, afirma.

O sindicalista sustenta que a “proposta dos 650 euros é importante para melhorar a vida dos trabalhadores, mas, acima de tudo, tem de ser vista numa perspetiva de referência para alavancar todos os restantes salários para que não sejamos amanhã, por esta via, o país em que o salário médio nacional se torna no salário mínimo nacional”.

“A questão de fundo é elevar todos os salários”, sublinha.

Quanto ao relatório do FMI, conhecido na última noite, Arménio Carlos é perentório: “A receita do FMI já conhecemos e já a sofremos: cortes nos salários, nas pensões e até em direitos fundamentais”.

“Não nos podemos esquecer que, em situações que ocorreram anteriormente, tivemos idosos que deixaram de ter dinheiro para comprar medicamentos que eram fundamentais para a sua própria sobrevivência e chegámos mesmo a ter situações de crianças a irem para a escola com fome”, recorda.

No relatório, o Fundo Monetário Internacional faz uma previsão cautelosa da evolução da economia portuguesa, revendo em baixa a previsão feita em abril e mostrando-se menos otimista do que o Governo.

Quanto ao PIB, mantém a estimativa de crescimento em 1,8%, caso não sejam adotadas reformas significativas que alterem o atual cenário.

Travar “a fuga e evasão fiscal”

No campo da especulação imobiliária, o líder da CGTP não fica indiferente à proposta social-democrata, mas ressalva que ainda não tem dados suficientes.

“Ainda não conhecemos a proposta na essência. É uma proposta para analisar de quadro de outras”, afirma na Renascença.

Seja como for, é importante propostas no âmbito do “confronto que neste momento se deve fazer com a especulação e, em particular, com a fuga e evasão fiscal”.

O PSD quer travar a especulação imobiliária e propõe que a taxa de IRS sobre as mais-valias seja diferenciada em função do tempo em que o imóvel é retido pelo proprietário.

A proposta foi anunciada por Rui Rio na última noite, nas Caldas da Rainha, e está a dividir opiniões. Para o fiscalista Tiago Caiado Guerreiro, por exemplo, aumentar as taxas no imobiliário é matar a galinha dos ovos de ouro.

“O Estado tem recebido e os municípios imensíssimas receitas de IMT e outras relacionadas com esta atividade. Isso permite às câmaras municipais terem melhores projetos para as cidades, recuperarem-nas. Porque é que vamos penalizar isso? É a única coisa de atividade económica que neste momento se passa no país. É isso e a ligada ao turismo. Não devemos destruí-la, devemos simplificá-la para que os preços se reduzam através de mais oferta”, defende o especialista, na Renascença.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • otário
    27 out, 2018 coimbra 15:56
    Caro ZÉ: Essa é a verdade e na minha opinião isto de meter o nosso dinheiro nos bancos não passa de uma maneira de todos estes SÈRIOS DE GOVERNANTES, mas todos, tanto de direitalha como de esquerdalha, os usarem como saco azul, pois nunca ninguém me explicou qual o verdadeiro rumo desse nosso dinheiro e o mais interessante é que nenhum partido se opõe a essa roubalheira; PETERVLG: Na verdade 20 euros não é nada, mas se a todos os trabalhadores e reformados fossem dados 20 euros já era alguma JUSTIÇA, o problema é aqueles pensionistas que vão receber de aumento (?) 6 e 10 euros e que continuam a pagar todos os bens essenciais ao mesmo preço que pagam aqueles que têm grandes ordenados e pensões e que continuando a haver aumentos por percentagem se distanciam ainda mais dos miseráveis; é o socialismo e a social democracia neste país!!!!!!!!!!!!!!!! ; FILIPE: Tudo o que diz é verdade, verdade que os canalhas e ladrões deste povo procuram esconder desta Nação; DOMINGOS: Por caridade não ofenda os meus dois cachorrinhos; os meus cachorrinhos não são LADRÕES;CORRUPTOS NEM VIGARISTAS. SAUDAÇÕES A TODOS VOCÊS.
  • domingos
    14 set, 2018 10:28
    Pois é filipe, mas são estes cães que ladram, quando um trabalhador que tem um salário congelado e miserável, para o custo de vida com este esterco da moeda unica, se manifesta por mais dignidade...
  • Filipe
    13 set, 2018 évora 13:58
    Mesmo assim com o salário mínimo um Português entrega ao estado 4 meses de impostos diretos e indiretos , veja-se então quanto recebe na realidade um Português pobre . Ademais convém esclarecer o Povo que aqueles patrões ricos , filhos e amigos ou amigas daqueles que em África exploravam os negros , andam sempre nas TV´s a reclamar que já pagam muito aos trabalhadores e pagam muito imposto ao Estado , mas não dizem e porque interessa esconder do Povo , os milhões que recebem de apoios a fundo perdido todos os anos vindos da UE e internamente para alegados programas de desenvolvimentos , que a bem dizer numa empresa média , paga logo metade do ano em salários . Outros , ainda tem o prazer de dizer que até pagam acima do salário mínimo , mas também não revelam os milhares de euros em apoios a fundo perdido todos os anos , veja-se os cafés Delta ... entre milhares de Deltas em Portugal . E , não esqueçam ainda que existem empresas que feitas as contas até produzem a custo zero , sim = 0 . É tudo lucro !
  • Petervlg
    13 set, 2018 Trofa 13:52
    e os outros salários, não aumentam?
  • 13 set, 2018 aldeia 12:21
    Só há dinheiro,muitos milhões para acorrer aos desvarios da banca.