A+ / A-

Tancos. Azeredo Lopes continua “sem ter a certeza sobre se falta material”

12 set, 2018 - 19:16

Governante voltou a prestar declarações no Parlamento, mas não foi conclusivo.
A+ / A-

O ministro da Defesa admite não saber se o material militar recuperado em outubro de 2017 corresponde ao roubado quatro meses antes dos paióis de Tancos.

"Não digo nem que sim, nem que não", afirmou o ministro durante uma reunião da comissão de Defesa, no Parlamento, pedida pelo CDS, centrada nas alegadas discrepâncias dentro do Governo e no Exército sobre o material furtado em junho de 2017 e o que foi recuperado em outubro desse ano, na Chamusca.

"Continuo sem ter a certeza sobre se falta material ou se é uma falha de inventário. Não digo nem que não, porque não tenho elementos para validar qualquer das teses. E aguardo tranquilamente que o Ministério Público diga de sua justiça", afirmou Azeredo Lopes em resposta a uma pergunta do deputado do BE João Vasconcelos.

Antes, respondendo ao deputado do CDS João Rebelo, o ministro insistiu que foi mais categórico nas afirmações que fez, sobre a recuperação do material, em outubro, por se basear num comunicado, na altura, da Polícia Judiciária Militar.

As "declarações foram feitas de boa fé", em outubro de 2017, e partiram do "comunicado da Polícia Judiciária Militar", disse.

Em julho, numa audição na comissão parlamentar de Defesa, o Chefe do Estado Maior do Exército, general Rovisco Pais, referiu que nunca deu garantias de que todo o material tina sido recuperado.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    13 set, 2018 aveiro 18:32
    Não sabe ?????........... então o que justifica o cargo e salário que recebe ?.. O ridículo não mata senão teria-mos funeral Nacional !
  • Filipe
    12 set, 2018 évora 23:01
    Não queiram ir contar se tem lá os aviões todos ainda e fragatas ... ou pratos de comer ... foram os Toupeiras que armazenaram as armas ou talvez tenham feito como no 25 Abril que escondiam e enterravam as armas , não terão feito o mapa e perderam o lugar onde as enterraram na espera de um novo Golpe de Estado ou atentado espécie Camarate II .
  • manuel
    12 set, 2018 lisboa 21:38
    Azevedo és ridículo. O CEME não te fica atrás. Diz o Azevedo que o MP e que sabe se falta material. Ridiculo.
  • 12 set, 2018 aldeia 20:29
    mais uma vergonha!.....e mais uma vez não há responsáveis? Tudo boa gente.......afinal é melhor que a "guerra do Solnado".
  • António dos Santos
    12 set, 2018 20:02
    Os deputados incompetentes e ignorantes, não têm nada que fazer em prol do país, do que se meterem naquilo que são uns totais imbecis. Deveriam era terem-nos no sítio e por na ordem os parasitas das Forças Armadas, que são um cancro do país. Pois as FA são uma vergonha para o país, devido à sua composição dos quadros, pois é uma aberração e um roubo.