A+ / A-

​Parlamento Europeu aprova ação contra a Hungria. PCP vota contra

12 set, 2018 - 14:22

A decisão inédita contra um Estado-membro deixa o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, mais isolado no seio da União Europeia e da sua própria família política, o Partido Popular Europeu (PPE).
A+ / A-

O Parlamento Europeu aprovou esta quarta-feira o relatório que defende a aplicação de sanções à Hungria, por quebra das regras democráticas, atropelos aos direitos civis e corrupção. O Partido Comunista Português votou contra.

A decisão inédita contra um Estado-membro deixa o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, mais isolado no seio da União Europeia e da sua própria família política, o Partido Popular Europeu (PPE).

A Hungria vai contestar a decisão do Parlamento Europeu, que descreve como uma “vingança mesquinha”.

A abertura de uma ação disciplinar contra o Governo de Budapeste recebeu 448 votos a favor e 197 contra, conseguindo o necessário apoio de dois terços necessários dos eurodeputados.

A Hungria pode até perder o direito de voto na União Europeia, o que terá de ser aprovado pelos líderes europeus e deverá contar com o veto da Polónia.

“A decisão de hoje do Parlamento Europeu é uma vingança mesquinha dos políticos pro-imigração contra a Hungria. A decisão é fraudulenta e contrária aos tratados europeus”, acusa o ministro húngaro dos Negócios Estrangeiros, Peter Szijjarto, em conferência de imprensa realizada em Budapeste.

Judith Sargentini, a eurodeputada que apresentou a proposta de sanções à Hungria, disse que “o Governo de Viktor Orban tem liderado o ataque contra os valores europeus ao silenciar a comunicação social independente, substituindo os juízes críticos e colocando uma trela na academia”.

Pessoas próximas do Governo, amigos e família “estão a enriquecer à custa dos contribuintes húngaros e europeus”, acusa Judith Sargentini.

“O povo húngaro merecia melhor”, afirma a eurodeputado dos Verdes.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    12 set, 2018 18:46
    Ó António, e nas votações do PCP sobre a repressão na Catalunha, a prisão de Lula no Brasil ou as políticas xenófobas dos EUA? Aí a ingerência contou? O PCP é o partido mais incoerente da Assembleia da República. Não gosto minimamente do CDS mas eles ao menos são consistentes.
  • António
    12 set, 2018 Portugal 16:22
    chama-se ingerência, ou aqui não conta? Um país tem de andar de trela?