A+ / A-

​"Não há nenhuma razão para dramatização" na nomeação de PGR, diz Marcelo

07 set, 2018 - 17:49

Recondução, ou não, da atual procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, é uma decisão que "faz parte da vida das instituições", afirma o Presidente da República.
A+ / A-

O Presidente da República defende que "não há nenhuma razão para dramatização" quanto à recondução, ou não, da atual procuradora-geral da República, Joana Marques Vidal, pois é uma decisão que "faz parte da vida das instituições".

"Não há razão para nenhuma dramatização. A democracia é natural, as instituições funcionam, ainda há menos de um ano tomei uma decisão sobre a nomeação do presidente do Tribunal de Contas, vou tomar agora relativamente a chefias militares por proposta do Governo, faz parte da vida das instituições, sem dramatizações", respondeu Marcelo Rebelo de Sousa, no Porto, quando questionado sobre o processo de nomeação do cargo de procurador-geral da república (PGR).

Em outubro termina o mandato de Joana Marques Vidal e, no início do ano, numa entrevista à TSF, a ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, admitiu o cenário de não renovar o mandato da PGR, dizendo que "a Constituição prevê um mandato longo e um mandato único", tendo depois o primeiro-ministro, António Costa, considerado este um "não assunto", embora tenha dito, no parlamento, que concordava com a interpretação da ministra.

Constitucionalmente, cabe ao Presidente da República, sob proposta do Governo, nomear o procurador-geral da República.

"Eu não me vou agora antecipar a uma decisão que é uma decisão que tomarei daqui por umas semanas. Agora, em democracia as instituições têm um funcionamento absolutamente normal, sem drama", reafirmou o chefe de Estado.

"O que digo é que faz parte da vida democrática haver instituições e haver momentos em que há designação de titulares para essas instituições, não acho especial drama num caso ou noutro", reafirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.