A+ / A-

Cinco elementos da claque do Boavista detidos nos Açores por desacatos e agressões

04 set, 2018 - 21:47

Entre os detidos está um agente da PSP e um funcionário de uma empresa de segurança.
A+ / A-

A PSP anunciou esta terça-feira a detenção, nos Açores, de cinco elementos da claque Panteras Negras, afeta ao Boavista.

O grupo, que se deslocou à ilha de São Miguel para assistir ao Santa Clara-Boavista, é suspeito da prática de crimes relacionados com ofensas à integridade física qualificada, ameaça e dano.

Os factos remontam a quinta-feira passada, 30 de agosto, quando “provocaram desacatos e agressões físicas violentas a cinco funcionários de um estabelecimento de restauração localizado em São Vicente Ferreira, no concelho de Ponta Delgada”, refere a PSP, em comunicado.

“Para além das agressões físicas e ameaças sofridas pelos cinco funcionários que se encontravam a trabalhar no restaurante, registou-se, ainda, a ocorrência de danos em diversos artigos e material existente no referido estabelecimento de restauração.”

Os cinco Panteras Negras acabaram por ser detidos na segunda-feira: quatro no aeroporto de Ponta Delgada e outro no aeroporto da ilha Terceira.

Entre os suspeitos está um agente da PSP, adepto do Boavista, e um funcionário de uma empresa de segurança privada.

“Ao elemento policial será determinada a instauração do competente processo disciplinar pelo Director Nacional da PSP, enquanto que sobre o elemento da empresa de segurança, a PSP – através do seu Departamento de Segurança Privada - irá verificar a viabilidade da continuação do desempenho de funções, de acordo com os mecanismos previstos na Lei”, explica aquela força de segurança.

Os detidos foram presentes a juiz esta terça-feira, no Tribunal de Ponta Delgada, para efeitos de primeiro interrogatório judicial e aplicação de medidas de coação, que ainda não são conhecidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.