A+ / A-

Preço das casas deve subir 9,5%, diz agência S&P

03 set, 2018 - 18:00

Para a Associação Portuguesa de Mediação Imobiliária, os preços nestas cidades já chegaram ao limite.
A+ / A-

A Standard & Poor’s (S&P) diz que o preço das casas em Portugal vai aumentar, em média, 9,5% este ano. As imobiliárias defendem que em Lisboa e Porto os preços já atingiram o limite.

Num relatório para a Europa, publicado esta segunda-feira, a agência de rating avisa que a procura continua muito acima da oferta e a pressionar os preços em Portugal.

É a lei da oferta e da procura. Quando as casas disponíveis não chegam para todos os que precisam, o preço sobe. A Standard & Poor’s diz que estas dificuldades estão a ser sentidas por portugueses e estrangeiros.

Este ano as casas devem aumentar 9,5% no país, segundo a agência de notação, mas em Lisboa e Porto, as subidas deverão rondar os 20%.

Para a Associação Portuguesa de Mediação Imobiliária, os preços nestas cidades já chegaram ao limite.

“Os preços em Lisboa e Porto vão subir até ao céu. Estamos com um problema de oferta. Para continuar esta procura do mercado externos, temos que satisfazer a necessidade de habitação para os portugueses e, neste momento, não conseguimos isso. Acho que chegámos ao limite. No centro de Lisboa e Porto e nalgumas zonas do Algarve os preços estão muito elevados e isso tem a ver com a procura de investimento estrangeiro”, diz à Renascença o presidente da APEMI.

Luís Lima explica que compradores não faltam, o que falta são casas para vender. Ainda assim, critica a proposta do Bloco de Esquerda, partido que quer acabar com o IRS de 0% para os pensionistas estrangeiros.

“Acho completamente absurdo. Acho que toda a gente pensa que o país está melhor do que está. O petróleo e ouro do país é o turismo de imobiliário”, adverte o presidente da APEMI.

A Standard & Poor’s diz que o aumento do preço das casas até deverá abrandar ligeiramente, em comparação com o ano passado - menos um ponto percentual -, mas só porque é agora ainda mais difícil pedir um empréstimo e porque estes preços afastam potenciais compradores. As novas construções são apenas uma fração do que se observava antes da crise.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.