A+ / A-

Caos na ferrovia? ​Governo garante "índices de regularidade superiores a 99%"

30 ago, 2018 - 15:50

Secretário de Estado assegura que o Governo continua "empenhado" nos investimentos no transporte ferroviário.
A+ / A-

O secretário de Estado das Infraestruturas congratula-se com os "índices de regularidade superiores a 99%" obtidos desde agosto na CP, com a mudança de horários, assegurando que o Governo continua "empenhado" nos investimentos no transporte ferroviário.

"Desde o início de agosto e desde a mudança de horários, a CP tem obtido índices de regularidade superiores a 99%. Há um cumprimento destes horários e é isso que é importante reter, enquanto no passado houve um forte desinvestimento, nomeadamente na manutenção, e é essa a principal questão", afirmou Guilherme W. d'Oliveira Martins.

O governante falava aos jornalistas, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, nos Açores, à margem da sessão de abertura da 67.ª Reunião dos Diretores Gerais da Aviação Civil da Conferência Europeia da Aviação Civil.

Em 14 de agosto, o Governo já tinha garantido, em comunicado, que a circulação de comboios da CP atingiu uma taxa de regularidade de 99% nas duas primeiras semanas de agosto, uma recuperação para os níveis históricos da empresa.

Esta quinta-feira, questionado sobre a situação da CP - Comboios de Portugal, o secretário de Estado voltou a apontar o "desinvestimento" feito "no passado" no setor ferroviário, que se "refletiu na situação" da empresa.

"Entre 2010 e até 2015 houve uma redução de cerca de 1.500 trabalhadores para 949 trabalhadores e houve esse desinvestimento. Mas, a partir de 2015, houve uma recuperação com recrutamentos até hoje. E ainda recentemente tivemos um processo de recrutamento de 102 trabalhadores por parte da EMEF - Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário. E estamos muito empenhados", sublinhou.

Guilherme W. d'Oliveira Martins assegurou ainda que o executivo "está empenhado", por outro lado, em proceder "ao aluguer de material circulante a Espanha e à preparação do caderno de encargos de aluguer de compra e aquisição de novo material circulante".

"É nisso que estamos empenhados", frisou o secretário de Estado das Infraestruturas.

Segundo foi comunicado na segunda-feira à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), a CP registou 54,6 milhões de euros de prejuízo no primeiro semestre, que comparam com as perdas de 58,1 milhões de euros registadas no período homólogo.

Recentemente têm sido várias as queixas em relação ao serviço prestado pela CP.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Ilusionistas
    31 ago, 2018 Portugal 19:17
    Mais um jogo de palavras e questão de semântica. Os comboios dão problemas. Se forem suprimidos, esses comboios deixam de dar problemas. Claro, foram suprimidos. O pior é para quem dependia deles... Governo malabarista que tal como os ilusionistas faz "truques" de espelhos, para fazer passar por verdadeira, algo que o não é...
  • daniel
    30 ago, 2018 COIMBRA 16:33
    99% só na ilha do Corvo!
  • Anonino
    30 ago, 2018 16:22
    O Secretário de Estado tem toda a razão. O comboio que usava diariamente para me deslocar de casa para o trabalho muitas vezes chegava atrasado. Desde Agosto, a taxa de atrasos é 0%. O facto de ter sido suprimido de vez é um mero pormenor.