O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Presidente recusa "triunfalismos" em relação ao fogo de Monchique

11 ago, 2018 - 14:27

Não é a ausência de vítimas mortais que traz “consolo” à população, diz Marcelo Rebelo de Sousa.
A+ / A-

Marcelo Rebelo de Sousa sublinha que não é a ausência de vítimas mortais que traz “consolo” à população, recusando entrar em “triunfalismos” injustificados, em relação ao incêndio que deflagrou em Monchique, no Algarve.

“O que eu sugeriria humildemente era o seguinte: sem triunfalismos, que não se justificam, sem juízos negativos definitivos já, mas sim preocupações, desabafos e sugestões para o futuro. Vamos terminar esta batalha, esta guerra e esta época [de incêndios]”, afirmou o chefe de Estado.

Marcelo Rebelo de Sousa respondia assim, à saída de um ‘briefing’ no posto de comando da Proteção Civil, instalado no centro da vila de Monchique, a alguns populares e um vereador da autarquia que o questionaram sobre a apreciação feita na sexta-feira pelo Governo à operação de combate ao incêndio, além de se queixarem de falta de coordenação, de comunicações e de meios parados, por exemplo.

Nesse dia, o ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, afirmou que “a grande vitória” da operação de combate ao incêndio de Monchique é a inexistência de vítimas mortais, acrescentando estar satisfeito por poder “celebrar” o facto de ninguém ter morrido.

Marcelo propõe criação de comissão independente "permanente" na AR

Ainda à saída do "briefing" da Proteção Civil, o Presidente da República propôs a criação de uma “comissão independente permanente”, sob alçada da Assembleia da República, para fazer a avaliação da época de incêndios e “ajudar” o Governo, o próprio chefe de Estado e instituições.

“[Esta comissão] ajuda o Governo, ajuda o Presidente da República e ajuda todas as instituições”, afirmou.

Segundo o chefe de Estado, a comissão poderia debruçar-se sobre as ignições e fogos registados, e se a “forma de prevenção” ou se a “resposta” resultaram ou não.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vieira
    12 ago, 2018 Leiria 02:24
    Ai não?? Então a resposta dos bombeiros não tinha sido... BRUTAL???! O incêndio terminou porque "não tinha mais lenha, por onde arder", (mesmo sabendo que não gostavas, empenhei o meu anel de rubi..) já estava distraído, afinal isto é uma música do Riu Veloso... Bolas! Mas o Senhor Presidente e o seu criado Costa podem continuar a assobiar e a cantar. Ora experimentem lá os dois juntos: "a minha paixão por ti (olhem um para o outro!) era um lume, que não tinha mais lenha...., por onde arder"