O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Há 14 fogos em curso e Monchique ainda é o que tem mais efetivos

11 ago, 2018 - 00:54

Incêndio está dominado desde a manhã desta sexta-feira, mas meios continuam no terreno.
A+ / A-

O incêndio que lavrou desde 3 de agosto em Monchique, apesar de ter sido dado como 'dominado' na sexta-feira, é a única 'ocorrência importante' em destaque pelas 00h40 no 'site' da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC).

Às 00h40, a informação disponível no 'site' ANPC registava 14 incêndios rurais em Portugal continental, combatido por 1.293 operacionais, apoiados por 412 viaturas, sendo o incêndio de Monchique, no distrito de Faro, a única 'ocorrência importante'.

O incêndio rural, considerado dominado esta sexta-feira, deflagrou no dia 3 à tarde, em Monchique, distrito de Faro, e atingiu também o concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Atualmente, e de acordo com o 'site' da ANPC encontram-se ainda no local 1.187 operacionais, apoiados por 380 viaturas.

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram cerca de 27 mil hectares. Em 2003, um grande incêndio destruiu cerca de 41 mil hectares nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Em curso, apresenta-se apenas um incêndio que teve início pelas 23h23 de sexta-feira, numa zona de mato, na freguesia de Nogueira e Silva Escura, concelho da Maia, distrito do Porto, que é combatido por 20 operacionais, apoiados por seis viaturas.

Os restantes incêndios na página da Proteção Civil estavam dominados ou em fase de rescaldo.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.