A+ / A-
Fogo de Monchique

Evacuações. “Ou António Costa tem provas de excessos ou não o devia ter dito”

10 ago, 2018 - 18:20 • João Carlos Malta

Associação dos Profissionais da Guarda critica as palavras do primeiro-ministro que admitiu excessos pontuais no processo de retirar as pessoas de casa no incêndio de Monchique, e acusa o chefe do Governo de baixar a moral dos militares.
A+ / A-

“É lógico que o primeiro-ministro não o podia ter dito, ou então já tem algo que comprove que houve excessos, e aí tem de haver um inquérito e depois um processo. Pode também ter presenciado algum excesso, o que não acredito. Caso contrário não devia ter dito essas palavras”, disse à Renascença o presidente da Associação de Profissionais da Guarda, César Nogueira.

O sindicalista reagia às declarações do primeiro-ministro, António Costa, esta sexta-feira em Monchique que, no balanço ao incêndio, elogiou em primeiro lugar o trabalho dos guardas. “A GNR desempenhou missão muito delicada e difícil. Todos nós, se tivermos o fogo ao pé de casa, o primeiro apego que temos é protegermos os nossos bens."

Mas depois admitiu que apesar de a primeira missão ser salvar vidas humanas, “pode ter havido aqui ou ali algum exagero".

Em jeito de conclusão, considerou que, globalmente, perante a gravidade dos incêndios, "não ter havido perdas humanas é um bem essencial”.

César Nogueira afirma que o chefe do Governo, ao abrir a possibilidade de haver excessos por parte dos militares, está a contribuir para que “quem andou no terreno com grandes dificuldades, a fazer tudo e mais alguma coisa, às vezes com grande limitação de meios, e ouve o chefe máximo do Governo dizer isto ainda se sente mais desmotivado”.

“Um militar não tem de ser simpático, tem de ser firme”

O presidente da Associação de Profissionais da Guarda, César Nogueira, insiste ainda que “o senhor primeiro-ministro pode dizer o que quiser, até pode ter mais dados do que eu tenho”, para de seguida repetir que ou o primeiro-ministro “tem provas de que houve excessos ou não o devia ter dito”.

“Como é lógico somos sempre considerados os maus da fita, quando é para fazer cumprir a lei e quando as pessoas não querem abandonar as suas casas. Até já ouvi pessoas a dizer que a postura dos militares era arrogante, mas os guardas não têm de ser simpáticos, têm de ser firmes”, sublinha.

A mesma fonte salienta as condições em que os militares operam. “Os guardas estiveram horas e horas e até dias seguidos sem descanso. O única pausa que tiveram foi para dormir no chão e logicamente que o guarda é um ser humano”, afirma, antes de dizer que não pode garantir a 100% que houve ou não houve excessos.

O militar admite que tenham existido mais evacuações do que no passado para se evitar que haja mortes como as que aconteceram em Pedrogão Grande e no 15 de outubro.

Militares agredidos

César Nogueira explica, no entanto, que esta é sempre uma missão difícil. “Sou operacional, patrulheiro, e já vi situações dessas mais do que queria. Percebemos que somos todos humanos, percebemos que as pessoas não queiram deixar as casas, mas a nossa função é preservar a vida das pessoas.”

O mesmo militar adianta que por vezes as pessoas resistem, e que nessa altura tem de “usar todos os meios”.

Admite que por vezes as pessoas são algemadas, mas desvaloriza esse ato. “Liga-se a algema a uma detenção, mas muitas vezes serve para manietar uma pessoa, não só para a preservar, como para defender o guarda”, acrescenta.

Nogueira fala mesmo de casos em que os guardas foram agredidos por particulares em Monchique. “Ficaram com escoriações, mas nada de muito grave. Acontece quando as pessoas estão nervosas e não querem ir”, remata.

Autoridades protegidas pela lei

Nos casos de evacuação, há direitos e interesses em conflito, mas, como explicou, quarta-feira, o advogado Ricardo Serrano Vieira, o direito à vida “é inviolável e não é negociável”.

“Mesmo que o particular não queira sair do local, as autoridades estão devidamente autorizadas, sem que com isso estejam a praticar, o que podia ser visto, como um ato ilícito”, avança o causídico.

“A atuação policial está legitimada no Código Penal. Queremos salvaguardar a vida e a ordem está legitimada quando há o perigo concreto que pode lesar o bem jurídico que é a vida. Os agentes da autoridade têm de agir em conformidade”, acrescenta.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    11 ago, 2018 aveiro 19:03
    Mais uma vez , após a catástrofe , as vitimas (o Povo), tem todo o direito de reagir da forma mais ou menos "SIMPÁTICA" , ao julgamento de valores dos operacionais no terreno. É normal para quem tudo perdeu , é normal para quem tudo ia perdendo . Eduardo dos Santos e Ferrão tem razão e direito de assim se expressarem além das Populações em causa ; a R:R dá-nos essa oportunidade . Mas pessoalmente continuo a achar estranho , que tão pouco se noticie as origens destes desastres que não são culpa "só" ou nenhuma, do calor , do vento , do mato , dos eucaliptos , ou da vegetação em geral . pode haver ignições por negligencia , isso sempre houve, mas geralmente os culpados negligentes , dão a alerta prontamente sendo os seus bens postos em perigo. Contrariamente os Pirómanos criminosos e profissionais , esses são pagos para tal sórdida tarefa, não tenho a minima duvida que actuam sobre ordens de "INTERESSADOS" em que arda certas áreas do País quando as condições climáticas são favoráveis . A classe Politica tem a "sua maneira" de analisar e tirar conclusões , eu como muitos outros temos as nossas evidencias . O "NEGOCIO DO FOGO" , actua como uma Máfia de forma tentacular, desde o mais alto nível ao obreiro incendiário . Criminosos apanhados em flagrante , levados a Tribunal e mandados para casa , enquanto a Policia fica a preencher a papelada lá dentro . Portanto e para terminar o que me vai na Alma , vejo neste País , que é o meu, uma condescendente anarquia Penal !.
  • eduardo santos
    10 ago, 2018 22:02
    “Um militar não tem de ser simpático, tem de ser firme” diz o presidente da Associação de Profissionais da Guarda, César Nogueira. Não é difícil concordar com esta afirmação vinda de quem vem, tem que defender a classe, mas a firmeza pode ser utilizada de muitas formas e não é à bruta que se convence as pessoas. Em qualquer circunstância somos todos humanos e aquelas pessoas estavam debilitadas moralmente e portanto mereciam um tratamento adequado à sua situação. Pelas afirmações produzidas até parece que o sr.presidente não conhece a forma de actuar dos seus homens, estamos a falar de militares que cumprem ordens, ou seja de uma sociedade diferente que não a civil, suponho que me faço entender.
  • Ferrão
    10 ago, 2018 Fernão 21:36
    A sério senhor sindicalista? Interessante, o senhor até parece aquele indivíduo que fez um crime que julga ser perfeito e depois quando a PJ o apanha ele muito surpreendido pergunta "e as provas?" Ó senhor sindicalista acha que entrar por cada adentro sem autorização de um tribunal é um ato digno de um país democrático? Levar alguém algemado sem haver suspeitas de ter cometido um crime é digno de um país que se diz ser democrático? Ainda acha que não houve excessos? E no ano passado de quem foi a culpa de as pessoas ter morrido encorraladas nas estradas de Pedrógão? Pois, já me esquecia... Não há provas!