O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Guerra ameaça um milhão de crianças na província síria de Idlib

10 ago, 2018 - 16:16

Já faltam alimentos, água e medicamentos na província, alerta a Unicef.
A+ / A-

A Unicef adverte que a batalha pela província de Idlib, no noroeste da Síria, pode afetar a vida de mais de um milhão de crianças, muitas das quais vivem em campos de refugiados.

O Fundo das Nações Unidas para a Infância adiantou que já faltam alimentos, água e medicamentos na província, largamente rural, com cerca de 2,5 milhões de habitantes, entre os quais dezenas de milhares de rebeldes e de civis transferidos em massa a partir de bastiões de rebeldes reocupados pelo regime após sangrentas ofensivas.

A ONU pressionou na quinta-feira a comunidade internacional para que se chegue a acordos para impedir "um banho de sangue" na província, depois de as forças do regime sírio terem começaram a bombardear posições rebeldes e 'jihadistas' em Idleb para um assalto à província, a última quase totalmente fora do controlo de Damasco.

A Unicef indicou que a batalha por Idlib irá agravar uma situação humanitária que já é difícil e desalojará potencialmente cerca de 350 mil crianças.

"Esta guerra não deve terminar com um banho de sangue, mas através de acordos", declarou Jan Egeland, conselheiro do mediador da ONU para a Síria, num encontro na quinta-feira com a imprensa em Genebra.

"São precisas negociações, são precisos acordos", insistiu, exortando os três países garantes das negociações de Astana - Rússia, Irão e Turquia - mas também os países ocidentais e os do Golfo a encontraram soluções.

O Presidente sírio, Bashar al-Assad, advertiu recentemente que aquela província constitui uma das prioridades do seu exército.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.