A+ / A-

Greve na Ryanair pode deixar milhares de passageiros em terra

10 ago, 2018 - 07:48

Paralisação afeta também vários voos em Portugal. No aeroporto de Lisboa, três chegadas e três partidas foram canceladas.
A+ / A-

Veja também:


Um protesto dos pilotos da companhia aérea low-cost Ryanair, esta sexta-feira, pode afetar cerca de 50 mil passageiros em toda a Europa. São cinco os países em que os pilotos aderem à greve: Irlanda, sede da companhia, Bélgica, Alemanha, Suécia e Holanda.

A paralisação afeta também vários voos com partida ou chegada em Portugal. No aeroporto de Lisboa, três chegadas e três partidas estão já canceladas. São voos de e para os aeroportos alemães de Frankfurt Hahn e Berlim Schoenefeld.

Trata-se de mais um protesto na Ryanair para reinvindicar aumentos salariais e melhores condições de trabalho e que poderá obrigar ao cancelamento de 400 voos em vários países. Só na Alemanha, foram cancelados 250 voos de e para aquele país.

A companhia aérea tem enfrentado várias greves, em diferentes países, desde o início do ano. A 24 e 25 de julho os tripulantes de cabine de Portugal, Itália, Espanha e Bélgica estiveram em protesto durante 48 horas.

Os sindicatos exigem três coisas: a aplicação da lei laboral de cada país, como está consignado no regulamento da União Europeia; reconhecimento os representantes do sindicato como interlocutores básicos; aplicação a todos os trabalhadores que operam nos seus aviões, incluindo os que são de outras companhias como a Crewlink ou a Workforce, os mesmos termos e condições de trabalho.

A Ryanair argumenta que o pessoal de cabine aufere salários excelentes - até 40.000 euros por ano (em países com elevado índice de desemprego jovem), mais do que o salário médio desses países.

Refere ainda que pratica horários líderes de indústria (14 dias de folga por mês), 900 horas por ano, ótimas comissões por vendas, subsídio de uniforme e de custos acidentais de 400 euros ano e baixa de doença paga.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.