A+ / A-

​Fogo em Monchique está "mais tranquilo"

09 ago, 2018 - 18:03

"Já não temos as chamas em atividade e isso dá-nos, de alguma maneira, alguma tranquilidade", afirma o autarca.
A+ / A-

O incêndio que deflagrou na sexta-feira no concelho de Monchique, no Algarve, estava esta quinta-feira à tarde "mais tranquilo", sem chamas em atividade, mantendo-se duas zonas que dão ainda "alguma preocupação", segundo o presidente da Câmara.

"Obviamente que está mais tranquilo. Já não temos as chamas em atividade e isso dá-nos, de alguma maneira, alguma tranquilidade", afirmou à agência Lusa Rui André, cerca das 16h40.

O autarca ressalvou que ainda não é altura "de baixar os braços", tendo em conta os "cenários" vividos nos últimos dias, com diversos reacendimentos, mas também porque a tarde é um período do dia em que se "levanta sempre vento".

Segundo Rui André, são duas as zonas que, hoje à tarde, dão "alguma preocupação". A zona das Caldas/Nave, no concelho de Monchique, e a zona da barragem, no concelho de Silves.

"Estão a ser monitorizadas pelos operacionais no terreno e não deverá haver nenhum problema de maior", acrescentou, sublinhando que o terreno "está muito quente", pelo que alguns pontos merecem "alguma atenção" já que há a possibilidade de reacendimentos.

O incêndio rural, que está a ser combatido por mais de mil operacionais, deflagrou na sexta-feira à tarde em Monchique, no distrito de Faro, e lavra também no concelho vizinho de Silves, depois de ter afetado, com menor impacto, os municípios de Portimão (no mesmo distrito) e de Odemira (distrito de Beja).

Segundo um balanço feito hoje de manhã, há 36 feridos, um dos quais em estado grave (uma idosa internada em Lisboa), e 299 pessoas estão deslocadas e distribuídas por centros de apoio, depois da evacuação de várias localidades.

Outras nove pessoas acamadas estão dispersas por unidades de saúde.

De acordo com o Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais, as chamas já consumiram 23.478 hectares. Em 2003, um grande incêndio destruiu cerca de 41 mil hectares nos concelhos de Monchique, Portimão, Aljezur e Lagos.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.