A+ / A-

Classe 1 nas portagens passa a abranger veículos até 1,30 metros

09 ago, 2018 - 16:07

O ajuste das classes vinha a ser reivindicado pelo setor, nomeadamente, pelo grupo PSA, que tem uma fábrica em Mangualde.
A+ / A-

Os veículos que pagam menos portagem passam a incluir os que têm peso bruto inferior ou igual a 2.300 quilogramas e altura ao primeiro eixo até 1,30 metros, segundo o decreto-lei aprovado em Conselho de Ministros.

Na informação divulgada pelo Governo sobre o diploma que ajusta as classes 1 e 2 de veículos para efeitos de aplicação das tarifas de portagem por quilómetro de autoestrada, os veículos integrados na classe 1 inclui também o cumprimento da "norma ambiental EURO 6 relativa às emissões automóveis".

"O diploma vem adequar o quadro normativo nacional à legislação europeia em matéria de segurança rodoviária e de sustentabilidade ambiental dos transportes, promovendo a coerência no tratamento dado aos utilizadores das autoestradas", lê-se na mesma informação.

O ajuste das classes vinha a ser reivindicado pelo setor, nomeadamente, pelo grupo PSA, que tem uma fábrica em Mangualde e tinha referido que o investimento em Portugal poderia estar em causa caso se mantivesse o modelo de pagamento das portagens ser anexado à altura dos veículos.

Com o modelo atual de portagens, a nova viatura fabricada em Mangualde, por ter mais de 1,10 metros de altura, deveria ser incluída na classe dois e agora será classe 1.

Acaba a discriminação no setor

"A Associação Automóvel de Portugal congratula-se [com este cenário porque] é aquele que, no imediato, resolve as distorções que há no mercado e resolve também os constrangimentos para a indústria automóvel em Portugal", disse à agência Lusa o secretário-geral da ACAP, Hélder Pedro.

"Achamos que não vai aumentar as vendas, vai é criar maior justiça, porque havia modelos que não se vendiam por este critério e, assim, todos têm hipótese de estar no mercado, é isso que defendemos, a equidade do mercado", justificou.

Hélder Pedro observou que, até aqui, "as pessoas escolhiam os modelos que não pagassem classe 2", isto caso quisessem andar em autoestradas.

Agora, com a nova medida, haverá "uma elasticidade na procura", realçou.

Em causa está, assim, "uma escolha mais diversificada de modelos", bem como um maior tráfego nas autoestradas, o que, consequentemente, "aumenta as receitas também", apontou.

Além disso, de acordo com secretário-geral da ACAP, o decreto-lei hoje aprovado vem adaptar-se à evolução do setor, já que a definição de classes anterior não tinha "em conta a nova realidade do mercado".

"Isto [as classes] foi definido em 2000, há 13 anos, e entretanto o 'design' dos carros evoluiu, com os SUV e os 'crossovers'", assinalou, notando que os carros de hoje em dia acabam por ter "pouco peso", mas "uma altura frontal acima do mínimo estabelecido".

Além disso, a nova classe abrange "a diretiva de proteção de peões que, entretanto, apareceu e que obrigou os carros a elevar a altura frontal", bem como responde às necessidades da indústria, que pode produzir outros modelos, como fábrica da PSA em Mangualde, adiantou Hélder Pedro.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.