O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Bispo do Algarve pede coragem para perguntas e respostas sobre combate ao fogo

08 ago, 2018 - 18:31

Dom Manuel Quintas diz que a Igreja está pronta a prestar apoio e diz que ninguém pode ficar de braços cruzados, elogiando ainda os habitantes de Monchique.
A+ / A-

É preciso ter a coragem de fazer perguntas e de dar respostas a tudo o que possa ter a ver com o fogo de grandes proporções que não larga três concelhos algarvios na Serra de Monchique.

O apelo é do bispo do Algarve, Dom Manuel Quintas, ouvido esta tarde pela Renascença.

“Faço este apelo para que haja coragem de fazer todas as perguntas que devem ser feitas, e que haja igual coragem para dar respostas a essas perguntas. É de elementar justiça até em relação ao serviço que se presta ao bem comum”, diz.

O bispo junta a sua voz a outras que questionam a organização da resposta ao incêndio. “Que haja a coragem de assumir propostas, respostas, naturalmente que não podem ficar apenas num número de efetivos, seja humanos, seja terrestres e aéreos. Verificamos que não basta serem muitos. Felizmente eram muitos, se não fossem talvez tivesse sido pior ainda, mas talvez seja necessário avançar mais e olhar para a qualidade da resposta e a da prevenção”

Dom Manuel Quintas, saúda a existência de programas de ajuda do Estado que já foi prometido, e que vão ser aplicados a quem mais precisar, mas pede que se corte na “burocracia que faz desesperar quem espera”.

“Se há de facto subsídios de estado para esses apoios, que se ponham em prática e com urgência. Perde-se muito tempo, se for possível que se abrevie, porque quem perdeu a casa quer regressar e vê-la reconstruída o mais rapidamente possível. Por isso que se façam esforços de simplificar os apoios a quem precisa.”

Desde o inicio desta tragédia que Dom Manuel Quintas tenta diariamente subir a Serra de Monchique, para estar junto dos fieis e agora junta-se ao presidente da Cáritas para saber o que pode ser feito para ajudar de imediato.

“Vermos se é possível delinear para já algum tipo de apoio e de nos mobilizarmos para o que for necessário. Há disponibilidade dos párocos do Algarve. Perante uma tragédia destas ninguém fica insensível, e ninguém pode ficar de braços cruzados, como não ficam os habitantes de Monchique, que já deram provas disso em calamidades anteriores”, conclui.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • lolia
    12 ago, 2018 lisboa 11:13
    A igreja está disseminada pelo mundo e com certeza q terá acesso a como se combatem os fogos onde nap há restrições económicas e os recursos são de ultima linha .É só comparar e tirar conclusoes.Qem lê os midia internacionais percebe o quanto peqenos somos e a atuação fraca q temos.Falta massa cririca e meios adequados ao caso.
  • Igneo
    09 ago, 2018 lisboa 14:29
    A pseudo democracia tem a mania do auto didata sem competências especificas e estamos como estamos.A solução para território e floresta q temos nestea altura são os corta fogos com separação de 800 metros entre áreas .O resto não produz efeito efetivo.A lei das limpezas é um esforço inútil e desajustado á realidade.
  • Respostas, não é?
    09 ago, 2018 Lisboa 09:59
    Ó Sr. Bispo, por amor da Santa. Todas as perguntas já estão mais que feitas. Os Portugueses já estão fartos de perguntar. Há quarenta anos é perguntas atrás de perguntas. Respostas é que nunca há. Sr. Bispo. Vivemos numa Partidocracia pelo que só temos direito a perguntas.
  • F. Almeida
    08 ago, 2018 Porto 23:22
    O Algarve tem um Bispo? Nem me tinha apercebido...