O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Papa rejeita religiosidade de "faça você mesmo"

08 ago, 2018 - 11:39 • Agência Ecclesia

Francisco reforça alertas contra "idolatrias" do sucesso, poder e dinheiro.
A+ / A-

O Papa disse no Vaticano que a procura de realização, por parte do ser humano, o tem levado a construir “ídolos” em busca de “sucesso, poder e dinheiro”, alertando os católicos para o perigo de viverem uma religiosidade de “faça você mesmo”.

“A natureza humana, para fugir à sua precariedade, procura uma religião ‘faça você mesmo’: se Deus não se deixa ver, fazemos um deus à medida”, explicou, na audiência pública semanal que decorreu no auditório Paulo VI, por causa do calor que se faz sentir em Roma.

A intervenção partiu do episódio bíblico do “bezerro de ouro”, construído pelo povo de Israel no deserto. Francisco sustentou que as “tentações” de instrumentalizar o divino, o “fascínio da idolatria”, nascem da “incapacidade de confiar antes de tudo em Deus”.

“Sem o primado de Deus, facilmente cai-se na idolatria e contenta-se com poucas seguranças”, precisou.

Face às propostas de felicidade e riqueza que enchem o quotidiano, o pontífice convidou todos a reconhecer a sua fragilidade, aceitando a proposta cristã de um Deus que se faz “pobre” e se mostra “fraco, pregado na Cruz”.

“Quando acolhemos o Deus de Jesus Cristo, descobrirmos que reconhecer a nossa fragilidade não é a desgraça da vida humana, mas a condição para abrir-se Àquele que é realmente forte. A liberdade do homem nasce justamente ao permitir que o verdadeiro Deus seja o único Senhor. Isto faz-nos aceitar a nossa fragilidade e recusar os ídolos do nosso coração”.

Após a catequese, o Papa dirigiu uma “saudação cordial” a todos os peregrinos vindos de Portugal e do Brasil.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.