A+ / A-

Ondas de calor e incêndios? Com o aquecimento global vão ser cada vez mais e cada vez piores

27 jul, 2018 - 13:30

Um estudo preliminar revelado esta quinta-feira traça uma relação direta entre as alterações climáticas e o aumento das temperaturas máximas que tem estado a verificar-se no norte da Europa e noutros pontos do globo.
A+ / A-

As ondas de calor como aquela que está atualmente a atingir o norte da Europa vão tornar-se cada vez mais frequentes nos próximos tempos.

A garantia é de uma equipa de cientistas que, esta sexta-feira, apresentou um estudo preliminar, citado pelo jornal britânico "The Guardian", segundo o qual o aquecimento global está a acelerar a frequência e a intensidade das ondas de calor. A manter-se esta tendência, dizem, por volta de 2040 este fenómeno deverá correr ano sim, ano não, e de forma cada vez mais violenta.

Friederik Otto, da Universidade de Oxford, afirma que “o que era visto como um fenómeno extraordinário já é, em muitos caso, usual, e tende a tornar-se comum. A sociedade deve estar preparada para lidar com isso, mas também deve fazer tudo para reduzir a emissão de gases com efeito de estufa o mais rapidamente possível.”

Aumentam as provas da culpa das alterações climáticas

O estudo compara fenómenos climáticos extremos e medições feitas ao longo do tempo com modelos informáticos que permitem simular um clima intocado pelas emissões de carbono. Com esta análise, os cientistas conseguem perceber de que forma o aquecimento global está a interferir com o clima.

Os investigadores analisaram os três dias mais quentes de sempre em sete estações meteorológicas do norte da Europa, da Irlanda à Holanda, passando pela Escandinávia, e constataram que as temperaturas escaldantes agora registadas não têm precedente.

As evidências desta ligação entre as ondas de calor e as alterações climáticas não são novas. Ainda há um ano foram constatadas na Austrália e nos países mediterrânicos da Europa. Nos Estados Unidos, o furacão Harvey também foi três vezes mais violento devido às alterações climáticas.

Norte da Europa passou de verde a castanha num mês

Já este verão, um calor sem precedentes atingiu, por exemplo, o Japão e Taiwan, com temperaturas acima dos 41 graus. No deserto do Sahara, a temperatura chegou aos 51,3C.

A onda de calor que tem atravessado o norte da Europa tem deixado, consequências ao nível da vegetação no solo. Uma imagem animada da Agência Espacial Europeia mostra como, no espaço de apenas um mês, a vegetação vista do espaço mudou significativamente de cor.

Em 31 dias, entre junho e julho deste ano, parte do solo no norte da Europa passou de quase na totalidade verde para castanho, mostrando o impacto agressivo da onda de calor na natureza.

Os primeiros seis meses de 2018 foram os mais quentes num ano sem El Niño, um fenómeno climático natural que provoca sempre um aumento das temperaturas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jonas
    28 jul, 2018 Baleia 15:52
    Afinal a culpa é do aquecimento global! Está bem... continuai a entreter o zé povinho com mundiais da frutabola enquanto os políticos e os donos do dinheiro continuam a sua festança!
  • fanã
    27 jul, 2018 aveiro 20:05
    Se os Pirómanos e os seus comendatários fossem condenados a prisão e trabalhos forçados , garanto que haveria só incêndios residuais . Mas enquanto o Fogo for um grande negocio para todos os protagonistas, do madeireiro, Empresários da transformação de matéria prima, contratos e venda de material de combate, até ao Juiz, a festa continuará. Será o nosso cartão de visita , uma nova atracção Turística !
  • FIlipe
    27 jul, 2018 évora 17:48
    Os cientistas desde que afirmaram a fraude do homem ter pisado a Lua , habituaram-se a contar estas histórias para venderem o que escrevem em teses de mestrado e doutoramentos . Mas esquece esta gente que anda cá na Terra e vive na Terra tão tão pouquinho que nem dá para nada . Ora , lembrem-se lá desde o aparecimento da Terra quantas alterações climáticas existiram e a razão do desaparecimento dos Dinossauros ou outras espécies ainda antes dos primitivos destes cientistas terem sido inventados e ainda nem sonhava o homem com a invenção da roda . Tretas e mais tretas !