O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

"​Ainda há explosivos de Tancos à solta"

14 jul, 2018 - 00:42

Notícia é avançada pelo jornal Expresso. Presidente da República reafirma "a exigência de esclarecimento cabal do ocorrido com armamento em Tancos”. Governo e Estado-Maior do Exército remetem-se ao silêncio.
A+ / A-

Ainda há explosivos furtados no quartel de Tancos, em Santarém, que não foram recuperados pelas autoridades, avança a edição deste sábado do jornal “Expresso”.

O Ministério Público (MP) contraria o Exército e garante que ainda há material militar desaparecido, adianta o semanário.

Os explosivos representam “perigo para a segurança interna”, adianta o Ministério Público, uma vez que há armas suficientes para um atentado.

Seis pessoas suspeitas de envolvimento no assalto que abalou uma das instituições mais importantes e prestigiadas do país estão a ser vigiadas, escreve o "Expresso".

A notícia agora conhecida contraria a versão dos militares. O chefe do Estado-Maior do Exército, general Rovisco Duarte, revelou em outubro do ano passado que apareceu uma caixa de petardos a mais na relação do material furtado nos paióis de Tancos recuperado na altura pela Polícia Judiciária Militar.

Questionado pela Renascença, o gabinete do Ministério da Defesa recusa comentar o caso, uma vez que o processo está sob segredo de justiça. O Estado-Maior do Exército também se remete ao silêncio, recusando comentar uma investigação em curso.

Marcelo exige "esclarecimento cabal"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, que no passado disse ter "memória de elefante" e que não iria esquecer o caso, já reagiu à notícia.

Em comunicado divulgado no site da Presidência, o chefe de Estado “reafirma, de modo ainda mais incisivo e preocupado, a exigência de esclarecimento cabal do ocorrido com armamento em Tancos”.

“E tem a certeza de que nenhuma questão envolvendo a conduta de entidades policiais encarregadas da investigação criminal, sob a direção do Ministério Público, poderá prejudicar o conhecimento, pelos Portugueses, dos resultados dessa investigação. Que o mesmo é dizer o apuramento dos factos e a eventual decorrente responsabilização”, conclui a nota do Presidente da República.

Azeredo Lopes vai ser ouvido no Parlamento

O ministro da Defesa vai na próxima terça-feira à Comissão Parlamentar de Defesa prestar esclarecimentos aos deputados sobre a cimeira da NATO, mas o tema "Tancos" será abordado.

O CDS-PP já prometeu questionar Azeredo Lopes sobre o assunto. O deputado centrista João Rebelo diz à Renascença que é "grave" o ministro e o Exército terem dado informações erradas ao Parlamento.

No entanto, o Ministério da Defesa afirma que não irá comentar o tema.

O PSD exige esclarecimentos urgentes sobre a existência de material militar furtado de Tancos ainda por localizar e promete confrontar, na terça-feira, o ministro da Defesa com este assunto.

Numa nota na sua página na rede social Facebook, o líder parlamentar Fernando Negrão considera "inacreditável" que ainda existam armas e explosivos por encontrar do material militar furtado há um ano do quartel de Tancos (Santarém).

"Está em causa a segurança nacional. O roubo aconteceu em instalações das Forças Armadas, a investigação foi feita pela Polícia Judiciária Militar e o resultado é a total falta de transparência", criticou Fernando Negrão.

O PCP pede esclarecimentos sobre todo o caso de Tancos, nomeadamente no âmbito do inquérito do Ministério Público, e só tomará posição sobre uma eventual comissão parlamentar de inquérito perante uma proposta concreta.

"Todas as questões relativas à ocorrência de Tancos devem ser esclarecidas, nomeadamente no âmbito do inquérito do Ministério Público. Quanto à eventualidade de um inquérito parlamentar, o PCP decidirá na base de alguma proposta concreta que seja apresentada", refere uma posição do partido enviada à Lusa, depois de questionado sobre esta matéria.

Assalto Tancos foi há um ano

"No limite, pode não ter havido furto nenhum" em Tancos. A hipótese admitida pelo ministro da Defesa, Azeredo Lopes, acabou por ser contrariada pela realidade.

As armas de guerra foram levadas dos paióis, num assalto detetado a 28 de junho do ano passado.

O episódio colocou a nu falhas de segurança numa instalação militar sem videovigilância, uma vedação ferrugenta e com poucas rondas.

Os meses passavam e nem rasto das armas. Até que, em outubro, uma denúncia anónima revelou que estavam escondidas ali perto, a 20 quilómetros de Tancos, numa herdade da Chamusca.

Foi recuperado todo o material furtado e ainda mais uma caixa que não estava na lista inicial.

As armas foram encontradas, mas ninguém foi detido. Agora, sabe-se que poderão haver explosivos à solta.

[atualizado às 17h28]

Tópicos
Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • VICTOR MARQUES
    15 jul, 2018 Matosinhos 11:18
    Já vasculharam a Feira da Ladra???!!!...
  • Helena Matos
    14 jul, 2018 Coimbra 14:19
    As demissões no sector da Saúde, por falta de profissionais, de instalaçoes condignas ou de equipamento, são o pão nosso de cada dia; o sector da Educação não pára de se queixar (andou em lume brando até há pouco pq o Sr Nogueira não queria beliscar os amigos do governo e só agora, na eminência de ser engolido pelo recente sindicato STOP, começou a balbuciar uns protestozitos); o sector da Justiça está pelos cabelos com falta de tudo e mais um par de botas; o sector dos transportes está nas últimas (com a ferrovia em mau estado e com os turistas a terem que viajar de autocarro qdo compraram passagem aérea). A isto o governo do sr costa diz q não tem dinheiro pra tudo mas o povo vai-se apercebendo q, pra muitas outras coisas, ele aparece na hora e aos milhoes.
  • Helena Matos
    14 jul, 2018 Coimbra 14:04
    A coisa já se tornou anedótica. Ninguém sabe quem fanou nem o que foi roubado. É uma vergonha. Num qualquer país decente já o Ministro da Defesa (q chegou ao descoco de dizer que nem sabia se tinha havido roubo) tinha vindo pra rua. O PR farta-se de perguntar pelo relatório e ele não aparece. Isto é uma vergonha de todo o tamanho, protagonizada por uns qtos fulanos q, se tivessem um pingo de vergonha, já se tinham demitido. Mas o governo de costa continua em frente cpmo se nada fosse (tal como aconteceu com as tragedias de Junho e Novembro de 2017, em q o PM até aproveitou para ir a banhos) e os amigos que o suportam nem fazem perguntas sb o assunto. Estamos num país em q a irresponsabilidade e a impunidade grassa, deslumbrados por um artificial bem estar q. neste momento, só tem como apoio o turismo. Os dados são reveladores: a dívida aumenta exponencialmente, as importações crescem e as exportaçõers diminuem, o desemprego estagna ou até aumenta, os impostos sobem desavergonhadamente...
  • degaulle
    14 jul, 2018 lisboa 12:44
    O ministério publico leu papeis e deduziu q ainda faltam armas?Ouviu alguém?Nao se percebe.Quem tem interesse nestas armas?Qual o seu destino?Vao ser usadas contra quem?Quem descurou ou impossibilitou segurança mais apertada?Quem desviou armas ?Assunto preocupante e que deveria ser prioritário.Mas é mais simples e menos perigoso aplicar coimas e levantar autos.
  • fanã
    14 jul, 2018 aveiro 12:03
    Em Portugal , casos que envolvam altas patentes acabam arquivados como "dossiers adormecidos" . De tanto dormirem até são esquecidos , os nossos sucessivos "Desgovernos" , ficam caladinhos que nem ratinhos !
  • Filipe
    14 jul, 2018 évora 11:49
    Imagino o tráfico de armas que existem no interior das Forças Armadas . Devia vir uma entidade externa auditar tudo e em todos os ramos , já ! Basta pensar se com a comida havia corrupção ...