O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Estado da Nação

Jerónimo exige "escolhas" a Governo obcecado por défice e dívida

13 jul, 2018 - 14:19

"Só em 2017, a EDP deveria ter pago cerca de 400 milhões de euros em impostos, mas pagou apenas 10 milhões. Diz-se que não há dinheiro para tudo, mas sobra sempre muito para uns poucos", condenou o PCP.
A+ / A-

O líder comunista desafiou esta sexta-feira o Governo a "fazer escolhas" que não pelo défice e a dívida, num país em que se diz "que não há dinheiro para tudo, mas sobra sempre muito para uns poucos".

"É preciso fazer escolhas, que sirvam os trabalhadores, o povo e o país e isso exige romper com os constrangimentos que inviabilizam o desenvolvimento, como o da submissão ao euro e do serviço da uma dívida insustentável que vai sugar 35 mil milhões de euros em juros até 2022", afirmou Jerónimo de Sousa, no debate parlamentar sobre o estado da nação.

O secretário-geral do PCP defendeu a necessidade de "canalizar a margem de crescimento económico para o investimento público, defesa da produção nacional e reforço dos serviços (saúde, educação, transportes)" e "travar a drenagem dos dois mil milhões de euros ao ano para as Parcerias Público-Privadas (PPP) ou os mais de 1,2 mil milhões gastos em 'swap' (contratos de cobertura de risco financeiro)".

"Só em 2017, a EDP deveria ter pago cerca de 400 milhões de euros em impostos, mas pagou apenas 10 milhões. Diz-se que não há dinheiro para tudo, mas sobra sempre muito para uns poucos", condenou.

Jerónimo de Sousa, lamentando a governação socialista marcada "pela obsessão do défice e pela recusa de renegociação da dívida", criticou também um dos recentes acordos celebrados entre PS e PSD, referindo-se à descentralização.

"Um país marcado pelo processo de transferência de competências para as autarquias em que o PSD aceitou dar ao PS o apoio que não tinha sozinho para colocar às costas das autarquias responsabilidades que são do poder central, atacando o poder local democrático e pondo em causa a universalidade de direitos sociais", descreveu.

Contudo, o líder comunista também admitiu que "o estado da Nação é o estado de um país em que há avanços, mas que precisa de outra política para garantir o seu futuro".

"Foi travada a ofensiva contra os direitos dos trabalhadores e do povo que estava em curso com as políticas dos PEC (Plano de Estabilidade e Crescimento) e do pacto de agressão da 'troika' e foram tomadas medidas de defesa, reposição e conquista de direitos e de resposta a alguns problemas mais imediatos", reconheceu.

Porém, Jerónimo de Sousa voltou a sublinhar que "as opções feitas pelo atual Governo PS, em questões centrais da ação governativa, não inverteram o rumo de declínio nacional e submissão aos interesses do capital e às imposições da União Europeia".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.