O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Exames. Mais de metade dos alunos do 9.º ano teve negativa a matemática

13 jul, 2018 - 12:58

Dos 94.524 que realizaram a prova, 49.173 obteve uma nota negativa, sendo a média das classificações finais de 47%.
A+ / A-

Mais de metade dos alunos do nono ano de escolaridade obteve nota negativa no exame de Matemática, enquanto a Português cerca de 87% alcançou uma classificou igual ou superior a 50%.

"Na prova de Português observa-se que cerca de 87% dos alunos obtiveram uma classificação igual ou superior a 50%, sendo que, na prova de Matemática cerca de 48% dos alunos obtiveram classificação igual ou superior a 50%", refere uma nota do Ministério da Educação sobre as notas finais dos exames do 9º ano de escolaridade.

Dos 94.524 alunos que realizaram o exame de Matemática, 49.173 obteve uma nota negativa, sendo a média das classificações finais de 47%, segundo o ministério tutelado por Tiago Brandão Rodrigues.

Já a prova de Português foi feita por 93.940 alunos, dos quais 12.372 obteve uma nota negativa, ficando a média das classificações nesta disciplina a 66%.

De acordo com o Ministério da Educação, a média da prova final de Português subiu em oito pontos percentuais em relação a 2017, enquanto a média do exame de Matemática registou uma descida de seis pontos percentuais face ao ano passado

"Relativamente às taxas de reprovação, a variação relativamente a 2017 é pouco significativa: na disciplina de Português, regista-se uma descida de um ponto percentual, ao invés da disciplina de Matemática, em que se verifica uma subida de um ponto percentual", indica o Ministério da Educação.

No total, realizaram-se 189.266 provas do terceiro ciclo em 1.255 escolas e estiveram envolvidos na classificação 4.171 professores.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • António dos Santos
    13 jul, 2018 16:06
    Aqui está espelhado a incompetência dos professores portugueses. São uma escória da sociedade. Esta cambada que anda a leccionar, não fazem um magistério do seu trabalha, mas sim um emprego, sem qualquer empenho e qualidade.
  • Gonçalo
    13 jul, 2018 Faro 15:55
    Que bom este sistema de ensino, cada ano que passa, pior são as notas dos alunos, o professores só se preocupam em avaliar os alunos sobre materias que nem sequer foram dadas corretamente em aula, as aulas deixaram de ser para ensinar e passaram a ser para informar aos alunos as materias que vão sair no teste, para que os mesmos vão estudar para casa, estudo esse que devia ser feito em aula com o auxilo dos professores. Nem sei porque é que ainda lhe chamam de ministério de educação e não de ministério de avaliação, pk no fundo não passa disso, os professores recebem um ordenado para irem as aulas dizer ao alunos que têm de estudar em casa esta materia porque vai sair no teste. Quando uma turma tem uma media negativa numa disciplina culpa-se os alunos porque não estudaram em casa. Porque é que nao se culpam os professores por nao terem ensinado corretamente? Os professores ensinam com os mesmos métodos que aprenderam há anos a trás e esquecem se que esses métodos ja estão caducados. Está na hora de fazerem uma alteração aos metodos de ensino, porque se há uns anos atrás uma geração durava 25 anos, hoje em dia dura 6 e há alunos que até são inteligentes e podiam ser bons alunos, mas como nao se adaptam aos metodos de "ensino",(ou de "avaliação" pk no fundo é isso) acabam por desistir dos estudos e vão trabalhar. Como é que se ademite alunos do 5° terem explicações a todas as disciplinas, para terem um professor a fazer aquilo que era suposto os professores todos fazerem.