O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Fátima

Peregrinação encerra com apelos contra a "resignação e indiferença"

13 jul, 2018 - 12:33 • Teresa Paula Costa

“Não podemos cair na resignação, na indiferença, muito menos na banalização do mal”, apontou D. António Augusto Azevedo, numa homilia que reforçou a mensagem deixada na missa de quinta-feira à noite.
A+ / A-

A peregrinação internacional de julho ao Santuário de Fátima terminou com apelos contra à “resignação e indiferença” perante os “rostos do mal” que marcam hoje o mundo.

Na homilia da Eucaristia de encerramento da peregrinação, o bispo auxiliar do Porto, D. António Azevedo, exortou esta sexta-feira os peregrinos de Fátima a terem esperança no futuro e a não se resignarem perante os males do mundo.

Lembrando que “nunca, como hoje, o mundo teve ao seu dispor uma tão grande variedade de meios, desde as novas tecnologias aos bens de consumo,” o bispo apontou que “paradoxalmente, abundam sinais de destruição e desperdício” e “existe medo e desespero,” a ponto de alguns já terem perdido “o gosto e a alegria de viver.”

Todavia, considerou o prelado, “diante do rosto do mal, tenha ele o nome de guerra ou terrorismo, violência ou exclusão, abandono ou solidão, injustiça ou corrupção, precisamos de esperança, de continuar a sonhar e a acreditar.” “Não podemos cair na resignação, na indiferença, muito menos na banalização do mal, nem podemos remeter-nos ao individualismo ou comodismo fáceis,” exortou D. António Azevedo.

Para reencontrar o sentido da esperança e da alegria, defendeu o bispo auxiliar do Porto, “importa pôr-se à escuta do Senhor para saber o que Ele nos diz e estar disponível para o pôr em prática.” Porque, acrescentou o prelado, “a janela de esperança que Deus nos abre não dispensa a nossa oração e a nossa ação” e “o compromisso de fazer o bem no nosso quotidiano é essencial para que a esperança seja legítima.”

A Nossa Senhora de Fátima, o bispo pediu proteção para todos os peregrinos e suas famílias, pois, “em Fátima, Maria renova a nossa fé para vencer os males que existem em nós ou à nossa volta e dá-nos um espírito de paz e de alegria.”

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.