O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
​Estado da Nação

Bloco desafia Governo a assumir "enorme falhanço" da estratégia europeia

13 jul, 2018 - 11:25

"Valeu a pena cada uma das vezes que defendemos o país, apesar de Bruxelas", afirmou a coordenadora do partido, Catarina Martins.
A+ / A-

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, desafiou esta sexta-feira o primeiro-ministro a assumir o "enorme falhanço da estratégia europeia", advertindo que não há consolidação orçamental sem crescimento económico.

"Aprendamos com o caminho feito: valeu a pena cada uma das vezes que defendemos o país, apesar de Bruxelas", afirmou Catarina Martins, num pedido de esclarecimento no debate sobre o estado da nação, no Parlamento.

Catarina Martins defendeu que se o país precisa de reconstruir os seus serviços públicos e o seu território não deve adiar "uma estratégia orçamental que leve o combate à desigualdade, social e territorial, tão a sério como as metas do défice orçamental".

"Que assuma o enorme falhanço da estratégia europeia e afirme o que já sabíamos e já demonstrámos: Não há consolidação orçamental sem crescimento económico, não há crescimento económico sem recuperação de salários e pensões, sem recuperação do Estado Social", defendeu.

Catarina Martins começou por se referir a uma entrevista do ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, à Renascença e jornal "Público", na qual defendeu que o entendimento entre PS e os partidos à esquerda não pode excluir matérias europeias.

A deputada disse que o BE "nunca se colocou fora desse debate" e lembrou a criação de um grupo de trabalho com o PS sobre o Tratado Orçamental, cujo relatório defende que "as exigências continuadas de saldos primários excessivos" são "politicamente insustentáveis".

Para o BE, o Governo PS começou no início da legislatura por "rejeitar a chantagem europeia e manteve-se fiel ao compromisso que mantinha com o BE e o país" para o aumento do Salário Mínimo e para a criação de emprego.

Com críticas ao ministro das Finanças, Mário Centeno, Catarina Martins acusou o Governo de ter, desde aí, "mudado de postura": "O Governo viu desaparecer, em cada décima de défice cortada por Bruxelas e sempre ultrapassada pelo ministro das Finanças, a capacidade de investimento na saúde, nos transportes, na educação na ciência", afirmou.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Petervlg
    13 jul, 2018 Trofa 12:30
    enorme falhanço, é do BE que dizem defender os trabalhadores e governo estão a retirar os 9 anos trabalhados dos professores e nada fazem