O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ex-funcionário do Banif condenado a quatro anos de prisão na Madeira

13 jul, 2018 - 10:49

Estava a ser acusado de desviar cerca de 650 mil euros de máquinas de multibanco.
A+ / A-

O ex-funcionário do Banif acusado de desviar cerca de 650 mil euros de máquinas de multibanco foi sentenciado a uma pena de prisão efetiva de quatro anos pelo Tribunal da Comarca da Madeira.

O ex-bancário estava acusado pelo Ministério Público do crime de furto qualificado e a leitura do acórdão esteve agendada para 20 de junho, tendo coletivo decidido alterar a tipologia do crime para abuso de confiança qualificado.

O arguido foi também julgado pelos crimes de falsidade informática e subtração de documentos.

O coletivo, presidido por Filipe Câmara, “deu como provados" os factos constantes da acusação e decidiu condenar o ex-funcionário do Banif - Banco Internacional do Funchal a três anos pelo crime de abuso de confiança na forma continuada, a um ano por subtração de documentos e a um ano e quatro meses pelo de falsidade informática, o que, em cúmulo jurídico, resultou numa pena de quatro anos.

O arguido foi julgado por se apropriar, durante um período de sete anos, de quantias de dinheiro que estavam à sua guarda para o exercício das suas funções como responsável por algumas caixas multibanco (ATM) e por adulterar 184 fechos de contas das máquinas.

As verbas roubadas variavam entre 500 euros e 10 mil euros de cada vez.

“Já tivemos outros processos idênticos de funcionários do Banif, envolvendo menos ou mais importâncias e sempre optámos pela pena efetiva”, declarou o juiz presidente.

O magistrado argumentou que “650 mil euros é uma situação muito grave, embora exista pelo país fora situações mais graves”.

Filipe Câmara sublinhou que o arguido “tinha à sua responsabilidade as caixas de ATM” e que “efetivamente desviou 650 mil euros, quer adulterando o valor de pagamentos saídos das caixas e quando registava no seu computador empolava o valor”.

O tribunal deu como provado que o ex-bancário efetuava carregamentos fictícios e que "para esconder a situação destruiu os talões das caixas” e “alterou os dados do sistema bancário”.

O tribunal deu como procedente o pedido de indemnização do Banif, de cerca de 650 mil euros, informando que o arguido fica em liberdade até a sentença transitar em julgado, podendo recorrer da decisão.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.