O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Guterres usa exemplo de Portugal para comentar migrações

12 jul, 2018 - 19:21

"As migrações são necessárias. E se são necessárias, têm de ser organizadas", defende o secretário-geral das Nações Unidas.
A+ / A-

O secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, usou o exemplo de Portugal para defender que as "migrações são necessárias" pelo que "têm de ser organizadas".

Em resposta a uma jornalista, Guterres contou como nas visitas a casa, em Lisboa, nunca encontrou uma pessoa portuguesa a tomar conta da mãe no serviço de ama permanente.

"Nas minhas idas a Lisboa, visito a minha mãe de 95 anos. Não tanto como eu gostava. Mas nunca encontrei uma pessoa portuguesa a tomar conta da minha mãe", disse.

Para concluir a ideia, o antigo Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados disse: "As migrações são necessárias. E se são necessárias, têm de ser organizadas".

A conferência de imprensa desta quinta-feira foi marcada para apresentação do Painel de Cooperação Digital idealizado por Guterres, em que se pretende avançar com "propostas de cooperação no espaço digital entre governos, setor privado, sociedade civil, comunidades académica e técnica e outras partes interessadas", segundo o comunicado na página de Internet da ONU.

O objetivo deste painel é "sensibilizar para o impacto transformativo das tecnologias digitais na sociedade e economia", e promover o debate público sobre segurança e um "futuro digital inclusivo para todos, tendo em conta normas de direitos humanos".

As reuniões do Painel de Cooperação Digital estão marcadas para setembro de 2018 e janeiro de 2019.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.