O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Justiça alemã decide extraditar Puigdemont

12 jul, 2018 - 10:24

Ex-líder catalão vai regressar a Espanha para ser julgado por uso fraudulento de fundos públicos.
A+ / A-

A justiça alemã decidiu extraditar o ex-líder catalão Carles Puigdemont por má utilização de fundos públicos.

Segundo o jornal espanhol "El País", a decisão do tribunal de Schleswig-Holstein de extraditar o político para Espanha está relacionada com uma suspeita de crime de peculato (uso fraudulento de fundos públicos) e não pelo suposto delito de rebelião. Uma vez em Espanha, Puigdemont só poderá ser julgado pelo crime pelo qual é extraditado.

"A acusação de peculato público é aceitável, a extradição para a acusação de rebelião não é aceitável", diz o tribunal de Schleswig-Holstein em comunicado. Não foi aplicada nenhuma medida de coação, pelo que o Puigdemont permanece em liberdade.

A 5 de abril, o mesmo tribunal alemão recusou a rebelião como motivo para extraditar o antigo líder da Catalunha e libertou Puigdemont, que se encontravana prisão de Neumünster desde 24 de março, quando foi detido pela polícia alemã pouco depois de ter entrado pela fronteira dinamarquesa.

Puigdemont fugiu de Espanha depois de Madrid ter decidido, em 27 de outubro de 2017, intervir na Catalunha, na sequência da tentativa, que liderou, de criar uma República independente naquela comunidade autónoma espanhola.

O ex-presidente do executivo catalão fugiu inicialmente para a Bélgica, mas foi apanhado este ano pela polícia alemã.

As autoridades alemãs estudavam até agora a resposta a dar à justiça espanhola que pediu a sua extradição para responder em tribunal por delitos de rebelião, sedição e peculato.


Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    12 jul, 2018 13:49
    A República Federal Alemã a ser cúmplice com um estado autoritário que não respeita princípios básicos como a liberdade de expressão e o direito à autodeterminação. Ganhe vergonha, senhora Merkel!