O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Prisão preventiva para oito detidos no caso das agressões na Academia do Sporting

11 jul, 2018 - 22:34

Um nono elemento detido na segunda-feira não foi ouvido no prazo legal de 48 horas após a detenção, por motivos de saúde, mas já lhe tinha sido decretada prisão preventiva.
A+ / A-

O juiz de Instrução Criminal do Tribunal do Barreiro decretou, esta quarta-feira, prisão preventiva para os oito dos elementos que, na segunda-feira, foram detidos por alegado envolvimento nas agressões na Academia do Sporting, incidentes que remontam a 15 de maio.

Os oito detidos são suspeitos dos crimes de terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro, dano com violência, tráfico de estupefacientes e detenção de arma proibida, entre outros. Somente um dos arguidos prestou declarações. O Ministério Público pediu que fosse aplicada medida de coação de prisão preventiva para todos. Pedido satisfeito pelo juiz Jorge Delca, que também considerou haver risco de fuga, de perturbação do decurso do inquérito e de grave perturbação da ordem e tranquilidade públicas.

Um nono elemento detido na segunda-feira não foi ouvido no prazo legal de 48 horas após a detenção, por motivos de saúde, mas já lhe tinha sido decretada prisão preventiva. No total, são já 36 os detidos por suposto envolvimento nas agressões em Alcochete. Entre eles está Fernando Mendes, antigo líder da claque Juventude Leonina. Há, ainda, "mais dois ou três" suspeitos, segundo o juiz Jorge Delca, que não se encontram e Portugal e que ainda não foram constituídos arguidos.

A 15 de maio, cerca de 40 alegados adeptos do Sporting, encapuzados, invadiram a Academia leonina e agrediram jogadores e equipa técnica. Na altura, a GNR deteve 23 atacantes, que continuam em prisão preventiva. A 5 de junho, mais quatro pessoas foram detidas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.