O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Ex-presidente da ERSE fala de "opacidade" na formação de preços da luz

11 jul, 2018 - 21:15

​Jorge Vasconcelos foi ao Parlamento admitir que não consegue explicar como se formam as tarifas.
A+ / A-

O antigo presidente da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) Jorge Vasconcelos afirmou esta terça-feira no parlamento que, "desde 2006, a opacidade" dos preços da eletricidade é "tão forte" que não consegue explicar como se formam as tarifas.

Questionado pelo deputado Jorge Costa, do Bloco de Esquerda, na comissão parlamentar de inquérito às rendas da energia, Jorge Vasconcelos considerou que "a opacidade é tão forte" que não consegue fazer as contas.

Referiu que o deputado bloquista é a segunda pessoa que conhece como se formam as tarifas, ironizando que "a primeira é o diretor de tarifas da ERSE [Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos]".

Isto porque "em cada ano há uma forma diferente de gerir esta coisa agradável que é o aumento dos preços", afirmou, referindo-se à tentativa de controlar a subida das tarifas da eletricidade, que levou à sua demissão em 2006, quando, por "eleitoralismo", o governo de José Sócrates rejeitou o aumento proposto pela ERSE para o ano seguinte.

Jorge Vasconcelos foi presidente do Conselho de Administração da ERSE durante dez anos, entre 1996 e 2006, altura em que se demitiu em protesto com a decisão do governo de José Sócrates de limitar o aumento da eletricidade a 6%, quando o regulador tinha proposto uma atualização de 15,7% para os consumidores domésticos.

"A intervenção governativa no processo de fixação de tarifas de eletricidade para 2007 [...] significa, do meu ponto de vista, o fim da regulação independente do setor elétrico português", considerou, o que designou de uma opção "eleitoralista".

Sobre a sua demissão, Vasconcelos precisou que o problema de um aumento das tarifas da luz superior ao défice tarifário colocou-se em 2005 (para entrar em vigor em 2006), altura em que o aumento médio de 14,4% foi limitado a 2,3% (valor da inflação), sendo que durante esse ano "não foram tomadas medidas para resolver o problema", que se repetiu na definição das tarifas de 2007.

"Avisei o senhor primeiro-ministro que considerava que não existia condições para o exercício independente da regulação. Por isso, não houve dias, houve um ano inteiro", disse.

Este diferimento dos custos criou o défice tarifário, que atualmente é de cerca 3,6 mil milhões.

Enquanto presidente da ERSE, Jorge Vasconcelos acompanhou o processo de cessação dos CAE (Custos de Aquisição de Energia) e a criação de medidas compensatórias, os CMEC, tendo considerado que o projeto de decreto-lei suscita "numerosos problemas que devem ser cuidadosamente ponderados".

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • fanã
    12 jul, 2018 aveiro 16:32
    Qual "Opacidade ????" , diria mais uma autentica obscuridade . Consentida e abençoada por sucessivos Governos , uma autentica Maná para todos esses Srs. !..........