O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Prisão preventiva para oito suspeitos do ataque à Academia do Sporting

11 jul, 2018 - 19:09

Juiz do Tribunal do Barreiro aplicou a medida de coação mais grave, à semelhança do que tinha acontecido com outros arguidos no caso das agressões a jogadores leoninos, ocorrido a 15 de maio.
A+ / A-

Oito suspeitos do ataque à Academia do Sporting vão aguardar o desenrolar do processo em prisão preventiva, decidiu esta quarta-feira o Tribunal do Barreiro.

Além destes oito arguidos, há um nono elemento detido, ao qual já foi decretada a medida de coação de prisão de preventiva, por impossibilidade de comparecer em interrogatório judicial no prazo legal previsto de 48 horas, por motivo de saúde.

Na operação conjunta, realizada na segunda-feira pela GNR e PSP, foram ainda identificados e constituídos arguidos mais três pessoas, às quais foi aplicada a medida de coação menos grave, de termo de identidade e residência.

A ação decorreu de uma investigação dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa às agressões a jogadores e técnicos da equipa de futebol do Sporting, levadas a cabo por cerca de 40 alegados adeptos encapuzados, em 15 de maio.

Na altura, a GNR deteve 23 dos atacantes, que permanecem em prisão preventiva.

Mais tarde, em 5 de junho, foram detidas pelas autoridades mais quatro pessoas, entre elas o antigo líder da Juventude Leonina Fernando Mendes, que também ficaram em prisão preventiva.

Ao todo, com as detenções efetuadas na segunda-feira, estão detidas 36 pessoas relacionadas com este caso.

Os arguidos que já foram indiciados respondem por vários crimes, nomeadamente, sequestro, ofensa à integridade física qualificada, introdução em lugar vedado ao público, dano com violência, terrorismo, resistência e coação sobre funcionário.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.