A+ / A-

Trump diz que “Alemanha está prisioneira da Rússia” e leva resposta de Merkel

11 jul, 2018 - 17:32

Presidente norte-americano começou cimeira da NATO ao ataque, mas depois suavizou o tom em relação a Berlim.
A+ / A-

O Presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou esta quarta-feira que a “Alemanha está prisioneira da Rússia”, mas depois suavizou o tom. As declarações estão a marcar o primeiro dia da cimeira da NATO, em Bruxelas.

"A Alemanha está prisioneira da Rússia porque importa de lá uma grande parte da sua energia", declarou Trump, durante um pequeno-almoço com o secretário-geral da Aliança Atlântica, Jens Stoltenberg.

Trump reconheceu que o tema Nord Stream II esteve em cima da mesa, mas escusou-se a dar mais detalhes.

O tom das declarações mudou depois de um encontro bilateral com a chanceler alemã à margem da cimeira da NATO

No final da reunião, o Presidente norte-americano assegurou que mantém "uma excelente relação" com Angela Merkel.

"Foi uma ótima reunião. Debatemos as despesas em Defesa e o comércio. Temos uma excelente relação", resumiu Trump.

Angela Merkel, que antes do arranque da cimeira da NATO sublinhou a independência das decisões de Berlim, declarou-se também satisfeita pela troca de impressões com o Presidente dos Estados Unidos.

"Tivemos a oportunidade de falar sobre questões como o desenvolvimento económico, as migrações e o futuro das nossas relações comerciais", acrescentou.

Merkel recordou a sua juventude na RDA, sob domínio da União Soviética, e garantiu que a Alemanha é totalmente "independente nas suas escolhas políticas".

A chanceler também defendeu a importância da contribuição da Alemanha para a NATO, também em jeito de resposta a Trump que tem defendido o aumento dos gastos com defesa dos aliados europeus.

“A Alemanha faz muito pela NATO. A Alemanha é o segundo maior contribuidor com tropas, a maior parte da nossa capacidade militar está ao serviço da NATO e ainda hoje temos um envolvimento forte no Afeganistão. Assim também defendemos os interesses dos Estados Unidos”, declarou Merkel.

A cimeira da Aliança Atlântica decorre hoje e quinta-feira na nova sede da organização, em Bruxelas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    13 jul, 2018 20:47
    "Acertou em cheio", é preciso recordá-lo o que aconteceu da última vez quando a Alemanha tinha o maior exército da Europa?
  • Anónimo
    11 jul, 2018 20:15
    Se há algo a que a Alemanha e os restantes países ocidentais estão presos é ao imperialismo americano. Com um presidente tão deplorável, que separa crianças dos seus pais e se refere à escumalha neonazi do seu país como "very fine people", como se atrevem a não o mandar às urtigas? E Portugal, a prostituta número 1 do imperialismo, não é diferente. Vergonha do meu país.
  • Acertou em cheio
    11 jul, 2018 Europa 18:46
    Alemanha: um gigante com pés de barro a nível militar. 50% da frota naval está inoperacional, a Força aérea não tem pilotos nem sobresselentes, e o Exército 1/3 das forças blindadas estão paradas por falta de efectivos e sobresselentes e os efectivos no geral estão abaixo dos mínimos. A alemanha é mais especialista em excedentes comerciais. agora gastar dinheiro nas F.A. é que não.Quer se queira quer não o melhor exercito europeu era o da GB.