O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Guilherme d'Oliveira Martins. CP está a sofrer "dores de crescimento"

11 jul, 2018 - 12:40

Governo estará a investir no reforço do pessoal da manutenção e na aquisição de novo material para a empresa ferroviária.
A+ / A-

A CP está a sofrer "dores de crescimento". É o que defende o secretário de Estado para as Infraestruturas, Guilherme d'Oliveira Martins, em declarações à Renascença, em reação à notícia avançada esta quarta-feira pelo jornal "Público", a dar conta de que a empresa ferroviária está à beira do colapso e a ficar sem comboios.

Para Guilherme d'Oliveira Martins, as "dores de crescimento" da empresa são causadas pela maior procura do transporte ferroviário e pelo desinvestimento dos anteriores Governos.

"A procura também tem aumentado, e este aumento de procura reflete-se nestas dores de crescimento por parte da CP. Há uma necessidade de ajustamento. Há dados que têm de ser tidos em conta, por um lado o desinvestimento, que é um dado negativo, mas por outro o dado positivo da procura, que reflete que os passageiros procuram mais o modo ferroviário para se deslocar", explica.

O secretário de Estado das Infraestruturas garante também que estão a ser implementadas medidas para que as necessidades dos utilizadores não sejam afetadas pela atual situação.

"Estamos a trabalhar em conjunto com a CP, para que estas questões que são citadas pela CP, do ponto de vista de material circulante envelhecido, não afecte as necessidades das pessoas. É esse o trabalho que estamos a fazer", diz.

"A CP tem propostas, mas nós, enquanto Governo, também temos propostas, mais fortes, que evitam e invertem este ciclo de supressões de horários por parte da CP", acrescenta o secretário de Estado, enumerando de seguida: "Reforço de pessoal da manutenção, necessidade de olhar para material circulante que é antigo, com certeza, e que precisa de mais manutenção e mais pessoal, e é nesse sentido que estamos a trabalhar, e por outro adquirir novo material circulante, mas que ainda demora tempo a vir."

Estas duas grandes medidas, reforço do pessoal da manutenção e aquisição de novo material, constam do Programa Ferrovia 2020, elaborado pelo Governo e em curso desde 2016.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.