O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Medina "muito preocupado com situação" no aeroporto de Lisboa

11 jul, 2018 - 07:44

Autarca diz que situação "está a afetar" a imagem do país e da cidade em termos turísticos.
A+ / A-

O presidente da Câmara de Lisboa manifestou-se "muito preocupado" com a situação que se tem vivido no Aeroporto Humberto Delgado, considerando que "está a afetar" a imagem do país e da cidade em termos turísticos.

"Estamos muito preocupados com a situação. Como era antecipável, o aeroporto encontra-se numa situação de esgotamento", afirmou Fernando Medina (PS) durante a sessão de perguntas à Câmara, que decorreu quarta-feira na Assembleia Municipal de Lisboa.

Na opinião do autarca, "esta situação decorre, em primeiro lugar, de uma decisão absurda, tomada por puro preconceito ideológico contra o investimento público no tempo do Governo anterior [PSD/CDS-PP], quando foi considerado que a expansão da capacidade aeroportuária era no fundo um excesso, um devaneio de governações socialistas".

"E infelizmente, ao longo dos anos, não vimos que tenham sido tomadas as decisões que se impunham a tempo para evitar que chegássemos ao ponto a que chegámos. Tenho a convicção de que a situação se vai agravar antes de conhecer melhorias", considerou o socialista.

O líder do executivo da capital especificou que as preocupações se prendem com perdas ao nível do emprego, do investimento, de "rendimentos e oportunidades para as famílias, para os jovens, para todos aqueles que precisam de um emprego e de uma atividade económica".

"E nós, com a situação do aeroporto, estamos a bloquear essas oportunidades de desenvolvimento económico", disse, salientando que o "deficiente funcionamento da infraestrutura do aeroporto" está a "causar impactos negativos na imagem da cidade e do país".

Em resposta a uma questão colocada pelo grupo municipal do PCP, Fernando Medina apontou que "a sucessão dos atrasos, das demoras, dos cancelamentos dos voos, das horas de demora em fazer os controlos dentro do aeroporto estão a afetar a imagem do país, estão a fazer a afetar a imagem do turismo na cidade de Lisboa, e é algo verdadeiramente intolerável para a cidade de Lisboa".

"Reforço o apelo, a exigência da cidade de Lisboa para que rapidamente sejam tomadas as decisões que se impõem", afirmou, atirando: "Insisto, amanhã já vamos tarde para estas decisões".

Relativamente à possibilidade do aumento dos voos noturnos, o autarca da capital rejeitou esta opção, defendendo que "de cada vez que se fala nesse alargamento, não se fala de um contributo da cidade de Lisboa, feito através dos cidadãos, dos munícipes, em abdicar de algum do seu bem-estar para uma solução transitória e temporária", mas "o que está a ser colocado em cima da mesa é como a única solução que verdadeiramente as outras entidades se lembram de vir propor para resolver o problema".

"Não aceito que se coloque em cima da mesa que a variável de ajustamento tem de ser o bem-estar dos lisboetas", vincou, manifestando que o município que lidera será "sempre parte da solução para resolver [este] gravíssimo problema que a cidade tem".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • ADISAN
    11 jul, 2018 Mealhada 16:12
    Quem quer tudo ... só em lisboa ... claro! Tem o que sempre quis e agora merece!
  • Cidadao
    11 jul, 2018 Lisboa 15:20
    E que tal preocupar-se com a especulação imobiliária existente e com a cidade impraticável em termos de mobilidade e estacionamento para quem cá vive e/ou trabalha, em que sem qualquer mandato para tal, você transformou Lisboa?