O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Cimeira da NATO

Donald contra Donald. “Cara América, valoriza os teus aliados"

10 jul, 2018 - 15:08

Em vésperas da cimeira da NATO, o Presidente norte-americano voltou a exigir mais investimento aos países europeus. Presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, respondeu: “Cara América, valoriza os teus aliados. Afinal de contas, não tens assim tantos".
A+ / A-

A cimeira da NATO, que começa na quarta-feira, em Bruxelas, está a ser antecedida por uma guerra de palavras entre o Presidente norte-americano e a União Europeia.

Na véspera do encontro, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk aconselhou Donald Trump - que exige mais dinheiro aos restantes Estados-membros da Aliança Atlântica - a dar o devido valor aos seus aliados.

“Cara América, valoriza os teus aliados. Afinal de contas, não tens assim tantos. E cara Europa, gasta mais na tua defesa, porque qualquer um respeita um aliado bem preparado e equipado. O dinheiro é importante, mas a solidariedade genuína é ainda mais”, declarou Donald Tusk.

O presidente do Conselho Europeu diz que a Europa gasta em defesa mais do que a Rússia e tanto quanto a China, reforçando que isso é um investimento na segurança comum.

Tusk lembra ainda a solidariedade manifestada pelos europeus quando os Estados Unidos foram atacados no 11 de Setembro de 2001 e pediram apoio.

"Soldados europeus lutaram ombro a ombro com soldados norte-americanos no Afeganistão. 870 bravos homens e mulheres sacrificaram as suas vidas, incluindo 40 soldados do meu país, a Polónia. Caro presidente, por favor lembre-se disto, amanhã (quarta-feira), quando nos encontrarmos na cimeira da NATO, mas acima de tudo quando se encontrar com o presidente (russo, Vladimir) Putin, em Helsínquia. É sempre bom saber qual é o seu amigo estratégico e qual é o seu problema estratégico", concluiu Donald Tusk.

Trump cobra aliados da NATO

A poucas horas de partir para a cimeira de quarta e quinta-feira, em Bruxelas, Donald Trump utilizou o Twitter para voltar a cobrar os restantes aliados da NATO.

“Os Estados Unidos estão a gastar muito mais na NATO do que qualquer outro país. Isto não é justo nem aceitável. Esses países aumentaram as suas contribuições desde que tomei posse, [mas] têm de fazer muito mais”, atirou o líder norte-americano.

A NATO tem sido um dos alvos preferidos de Donald Trump, desde a campanha para as eleições presidenciais de 2016.

Depois de tomar posse como 45.º Presidente, afirmou o compromisso dos EUA em relação aos aliados da NATO, mas tem feito queixas recorrentes sobre a contribuição financeira norte-americana para a Aliança Atlântica, em comparação com outros países que não cumprem a meta dos 2%.

Donald Trump enviou em junho mensagens aos aliados da NATO, incluindo Portugal, queixando-se das contribuições insuficientes dos respetivos países junto da Aliança Atlântica.

Nas cartas, Trump refere que em 2017 formulou queixas em privado e em público para pressionar os países da NATO a contribuírem com 2% do Produto Interno Bruto (PIB) para a defesa comum.

Portugal gasta mais do que a Alemanha em Defesa (em percentagem do PIB)

Portugal consagra atualmente cerca de 1,36% do Produto Interno Bruto (PIB) a despesas em Defesa, ainda longe do objetivo de 2% acordado entre os países membros da NATO, segundo os dados divulgados esta terça-feira pela Aliança Atlântica.

De acordo com os dados publicados - para 2017 e 2018 trata-se ainda de estimativas -, Portugal destinou no ano passado 2.398 milhões de euros a despesas em Defesa, o que equivale a 1,24% do seu PIB, devendo este ano aumentar para 2.728 milhões de euros, o equivalente a 1,36% da riqueza nacional.

Em termos proporcionais - em relação ao PIB -, Portugal encontra-se à frente de países como a Holanda (1,35%), Alemanha (1,24%), Canadá (1,23%), Itália (1,15%), Espanha (0,93%) e Bélgica (0,93%).

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anónimo
    10 jul, 2018 17:43
    Não percebo como é que se pode ser aliado de um país que tantas violações de direitos humanos pratica. Se os países europeus decidissem ser aliados da Rússia ou da China já teria caído o Carmo e a Trindade. Tudo de rabinho voltado para o imperialismo americano! Nojo!