O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-
Tailândia

Eka será o último a sair. Conheça o treinador que acalmou as crianças com meditação

10 jul, 2018 - 07:32 • Redação com Lusa

Quando a equipa de mergulhadores encontrou os jovens, estes estariam a meditar, num exercício que tem ajudado a acalmar as crianças desde que ficaram presas na gruta.
A+ / A-

O treinador de futebol que está ainda aprisionado numa gruta em Mae Sai, na Tailândia, com mais quatro crianças deverá ser o último a ser resgatado, de acordo com as últimas informações divulgadas pelas autoridades.

No domingo foram salvas quatro crianças, na segunda-feira outras tantas, e esta terça-feira a prioridade definida pelas autoridades aponta para o mesmo número de extrações da gruta, ficando o treinador, que foi monge budista durante uma década, para a última tentativa de resgate, de preferência ainda durante o dia, já que as condições climatéricas pioraram nas últimas horas.

Quando a equipa de mergulhadores britânica encontrou os jovens, estes estariam a meditar, num exercício que tem ajudado a acalmar as crianças desde 23 de junho, quando foram surpreendidas pela inundação parcial do complexo subterrâneo montanhoso Doi Nang Non.

O agora treinador Ekapol Chanthawong, de 25 anos, foi um monge budista durante uma década e, de acordo com várias publicações e agências noticiosas, tem ensinado as crianças a meditar, não só para assegurar que se mantenham calmas, mas também que reservem as energias numa situação extrema que dura há mais de duas semanas.

Nos primeiros nove dias, e até serem encontrados, estiveram sem água e sem comida. Segundo as autoridades, Ekapol é um dos mais fracos no grupo, porque terá dado parte da sua comida e água às crianças.

De monge budista a treinador

Ekapol Chanthawong ficou órfão aos 10 anos, segundo declarações de amigos a vários órgãos de comunicação internacional. Começou, então, a estudar para ser monge, mas, cerca de uma década depois, deixou o mosteiro para cuidar da avó que estava doente.

Passou a dividir o seu tempo entre o trabalho como ajudante no templo de um mosteiro e o treino de uma equipa de futebol.

Ekapol preparou um sistema para que os rapazes treinassem e, ao mesmo tempo, estivessem motivados para ter bons resultados na escola. Cada vez que tiravam boas notas, oferecia-lhes botas e equipamento novo.

Joy Khampai, um amigo de Ekapol, disse ao “Washington Post” que o treinador “amava mais os rapazes do que a si próprio”. O amigo acrescenta ainda que o conhece bem e sabe que “vai sentir-se culpado” pelo que aconteceu.

A 23 de junho, depois do treino de futebol, Ekapol levou os jovens para a cadeia montanhosa Doi Nang Non, para explorarem as cavernas.

Na altura, as inundações resultantes das monções bloquearam-lhes a saída. O alerta do desaparecimento foi dado pelos pais que ficaram preocupados porque os filhos não tinham voltado para casa. Um outro rapaz da equipa, que tinha ido para casa após o treino, informou então que rapazes tinham ido explorar as cavernas de Tham Luang.

Á água que inundou a gruta impediu que as equipas de resgate os encontrassem durante nove dias, uma vez que o acesso ao local só é possível via mergulho através de túneis escuros e estreitos, cheios de água turva e correntes fortes.

O local onde os jovens ficaram presos situa-se a cerca de quatro quilómetros da entrada da gruta, num complexo de túneis com zonas muito estreitas e alagadas pelas chuvas da monção que afetam a zona, o que obriga a que parte do percurso tenha de ser feito debaixo de água e sem visibilidade.

As opiniões dividem-se. Se para uns Ekapol é culpado do incidente por ter entrado com o grupo na gruta, ignorando a placa de perigo devido às chuvas fortes, para outros o treinador é a fonte de união e força da equipa.

"Se ele não tivesse ido, não sei o que teria acontecido ao meu filho", disse uma das mães em declarações aos jornalistas no local.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Vera
    10 jul, 2018 Palmela 15:35
    Deus é grande! do Monge treinador, vão surgir mais doze Monges, eu acredito! sou católica, mas acredito que a força de Deus está em todas as religiões, só é preciso saber como falar com Deus, seja em pensamento, Meditação, oração... O Monge por meditação, puxou Deus, para perto das crianças! elas esperaram, confiaram, não estiveram abandonados!!! serão novos monges... Que Deus seja Louvado! pelo modo como foram salvos.