A+ / A-

Jerónimo garante que “não há nenhuma tensão” nas negociações para OE

09 jul, 2018 - 20:27

Líder do PCP refere que “à legislação laboral o que é da legislação laboral e ao orçamento o que é do orçamento. Estamos de acordo que não deve haver ultimatos, nem pressões ou chantagens”.
A+ / A-

O secretário-geral comunista garante que não há tensão nas negociações do Orçamento do Estado para 2019.

"Não há nenhuma tensão. Não gosto de ser comentador de comentários. Não é bom caminho misturar coisas. Em relação à legislação laboral, é um momento marcante, um aspeto de grande significado político e social, mas à legislação laboral o que é da legislação laboral e ao orçamento o que é do orçamento. Estamos de acordo que não deve haver ultimatos, nem pressões ou chantagens. Deve haver um encaminhamento para um processo normal e natural de apreciação dos conteúdos do orçamento", disse Jerónimo de Sousa.

O líder do PCP fora confrontado, à margem de uma manifestação anti-NATO, em Lisboa, com declarações do fim de semana, nas quais o ministro dos Negócios Estrangeiros avisou o Bloco de Esquerda para que não "ceda à tentação de fazer ultimatos" na negociação do OE 2019, cuja aprovação diz abrir caminho à renovação do acordo à esquerda em 2019.

Para Jerónimo de Sousa, os contactos com o Governo com vista à elaboração do OE2019 constituem um "processo normal, muito idêntico a anos anteriores", com o "compromisso de exame comum à proposta".

"Aliás, não percebo, tanta gente a falar de uma coisa que, por enquanto, não existe. Nem se discutiu uma só medida. Perante a proposta concreta, daremos a nossa contribuição, com as nossas propostas", assegurou.

O secretário-geral do PCP sublinhou a intenção dos comunistas de continuar a reposição de rendimentos e direitos e reforçar o investimento nos serviços públicos, como a saúde, transportes ou educação, nomeadamente estender a gratuitidade dos manuais escolares a todos os alunos, ou seja, até ao 12.º ano de escolaridade.

Antes e depois das declarações aos jornalistas, Jerónimo de Sousa participou na manifestação "sim à Paz, não à NATO", no largo Luiz de Camões, ao Chiado, condenando a "escalada militarista e federalista da União Europeia sob a batuta dos EUA".

"Não acompanhamos as posições do Governo e do Presidente da República, na medida em que não se situam num posicionamento em conformidade com a Lei Fundamental", afirmou.

Para o líder comunista, "Portugal é um país e um povo pacíficos, amantes da paz, que defendem a cooperação, o relacionamento entre povos e países, a amizade, e não a guerra".

"Acho curiosa até a contradição - estão sempre a dizer que não há dinheiro para nada e para reforçar as verbas para o armamento são uma fartura de milhares de milhões de euros que fazem muita falta para resolver problemas do nosso povo e país", disse.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.