O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

"Caminhão" de selfies para promover os “Lagos do Sabor”

09 jul, 2018 - 11:56 • Olímpia Mairos

A ideia passa por juntar o maior número de pessoas, fazer um percurso de cinco quilómetros a pé, tirar o maior número de selfies possível, e entrar para o Guiness Book. O Presidente da República também está convidado.
A+ / A-

A Associação de Municípios do Baixo Sabor (AMBS), que engloba Torre de Moncorvo, Alfandega da Fé, Mogadouro e Macedo de Cavaleiros, pretende criar um eixo de turismo sustentável sob a chancela “Lagos do Sabor”.

Os Lagos do Sabor são os cerca de 70 quilómetros navegáveis de uma albufeira que resulta da construção da barragem do Baixo Sabor, com um “grande potencial para a oferta turística sustentável”, explica o presidente da AMDS, Nuno Gonçalves.

De entre os vários projetos na forja está prevista a criação de um “Eco-Resort” flutuante, com unidades de alojamento e capacidade de navegação nos lagos, pontos de ancoragem em forma de flor de amendoeira com pequenas piscinas centrais, praias fluviais e ancoradouros, abrangendo os quatro municípios numa única gestão, ao longo de 70 quilómetros de lagos.

Prevê-se também a criação de um sistema de visitação do território com uma embarcação de passeio provida de conteúdos interpretativos e realidade aumentada e o reordenamento da rede de percursos pedonais pré-existentes nos municípios. Outro dos objetivos passa por criar uma interligação entre o Alto Douro Vinhateiro e o Vale do Sabor.

“O rio Sabor está enquadrado num ponto geográfico único e querermos aliar ao potencial turístico de território, todo um saber gastronómico” explica o autarca de Torre de Moncorvo. Segundo o autarca e presidente da AMDS, os municípios que integram os “Lagos do Sabor”, estão empenhados e comprometidos “numa plataforma colaborativa de ação e alinharam estratégias e investimentos municipais de forma coerente e consequente”.

Como exemplo desta estratégia intermunicipal o autarca destaca o investimento que os municípios têm realizado “no desenvolvimento de um programa de educação ambiental e de cidadania para crianças que se materializa pela criação e um imaginário infantil do "País do Sabor", com personagens representando os municípios e a sua história que promovem aprendizagens e comportamentos ambientalmente responsáveis, interiorização da democracia representativa e cuidados ao nível da proteção civil”.

Selfies para entrar no Guiness

Para dar a conhecer e promover os “Lagos do Sabor” a AMBS promete realizar a maior “caminhada fotográfica”, para entrar no Guinness Book com um recorde de selfies e até já convidou o Presidente da República para o evento.

“Endereçamos um convite ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, para participar na iniciativa e, assim, ajudar a colocar os Lagos do Sabor no Guinness World Records de Selfies”, conta à Renascença o presidente da Associação de Municípios do Baixo Sabor (AMDS), Nuno Gonçalves.

O “Caminhão”, assim se designa a caminhada fotográfica, está marcado para 4 de agosto, com concentração no Santuário do Santo Antão da Barca.

A ideia é juntar o maior número de pessoas, para fazer um percurso de cinco quilómetros, pelas margens do rio Sabor e tirar o maior número de ‘selfies' possível, e assim tentar entrar para o Guiness Book.

“Estamos cientes de que, perante a dimensão dos Lagos do Sabor, muito terá que ser feito, com escala suficiente para atrair investidores e turistas”, entende o autarca de Torre de Moncorvo, sublinhando que, “para que o projeto ‘Lagos do Sabor’ se torne uma realidade, será preciso que muitas pessoas se juntem a nós neste ‘Caminhão’ e na divulgação deste projeto turístico sustentável que já começou a ganhar forma”.

Em 2017, foi aprovada uma candidatura ao Portugal 2020 com o objetivo de promover a valorização turística do património natural da albufeira do Baixo Sabor e marca Lagos do Sabor.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.